Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
83 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56432 )
Cartas ( 21156)
Contos (12575)
Cordel (9959)
Crônicas (22082)
Discursos (3130)
Ensaios - (8873)
Erótico (13329)
Frases (42870)
Humor (18225)
Infantil (3701)
Infanto Juvenil (2514)
Letras de Música (5461)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137728)
Redação (2905)
Roteiro de Filme ou Novela (1051)
Teses / Monologos (2385)
Textos Jurídicos (1918)
Textos Religiosos/Sermões (4611)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->PLANETA VERMELHO -- 06/10/2002 - 14:26 (João Ferreira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
PLANETA VERMELHO

Jan Muá

30 de setembro de 2002







Falas como se estivesses no planeta vermelho

Sem ar e sem água, áridos os contornos e monótonos os vales.

Falas como se os versos fossem o areal tórrido do Sahara

Onde as corcovas dos camelos sangram a infinita distância do oásis apetecido

Falas como se fosses a senhora da melancolia no horto protetor de Rosalía em Padrón

Falas vergada à tua dor de alma como se os azorragues estivessem bastonando em sangue tua delicada pele

Assuntas arfando as letras como quem está numa corrida onde caixotes de chumbo inibem a mobilidade na sola de teus pés

Falas como quem está agonisticamente nos confins da aventura

Sentindo o peso próximo de uma alma que carrega na dura subida o roliço penedo de Sísifo

Pelo que me confidencias, adivinho que bem próximo de tua rota as palavras resistem soberanas a que tornes clara a tua dor indescritível

Caminhas por entre sombras cúmplices de silêncios e gostarias que as mesmas te explicassem essa admirável onda da alegria do sol banhando a terra

Ouço dizeres que na caminhada sempre ficas deslumbrada por um território onde desconhecido idioma te surpreende afoito na força de um mundo em revelação

Acompanho de perto teus soluços cheios de ternura quase abafados no recanto da varanda de onde olhas para o mar

Perdida no vago horizonte que guarda as histórias curtidas em silêncio

E onde soletras os ritmos ondulatórios de teu coração

Mostras que em cada onda do teu mar passa a narrativa completa do que agora estás escondendo nas dobras infinitas das combinações que não revelas

Me olhas triste e contida porque uma aragem seca e tórrida te coloca sob pressão tentando suster-te o grito de vida que tens como tua melhor reserva de poesia!





Jan Muá

30 de setembro de 2002

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 73Exibido 660 vezesFale com o autor