Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
102 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54717 )
Cartas ( 21051)
Contos (12071)
Cordel (9440)
Crônicas (21012)
Discursos (3106)
Ensaios - (9890)
Erótico (13106)
Frases (39732)
Humor (17538)
Infantil (3557)
Infanto Juvenil (2306)
Letras de Música (5410)
Peça de Teatro (1309)
Poesias (135400)
Redação (2862)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2371)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4159)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Infantil-->Cachorro em pele de Cordeiro -- 16/06/2013 - 09:06 (Marcelo de Oliveira Souza,IWA (marceloosouzasom@hotmail.com) zap 71-992510196) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Cachorro em pele de Cordeiro

Alípio era um filho de agricultores que adorava pescar no rio atrás da serra, onde morava com sua mãe, seu pai sumiu e não voltou mais, dizendo que voltaria rico de Salvador, foi procurar trabalho naquela cidade grande e até hoje o nosso menininho espera a sua volta.
Para ajudar sua mamãe ele cuidava de dez ovelhinhas esperando que as bichinhas cresçam e tenham filhinhos para no futuro ser um grande fazendeiro.
Todo dia nosso amiguinho levava seus animaizinhos para cima da serra, onde tinham as melhores pastagens.
Certo dia quando pescava ele viu uma ovelhinha branquinha como a nuvem, mas com umas asas negras, ele se assustou porque a bichinha gritava como uma desesperada...
Ele procurou seu melhor amigo Tote, um cachorrinho vira-lata e foi para a montanha, só encontrando nove bichinhos.
Todo dia era a mesma coisa, as ovelhinhas saíam voando e gritando, foi quando ele percebeu que o Buru, um malvado urubu-rei estava levando toda a sua criação.
O malvado animal já estava acostumado, era só Alípio ir pesar que as ovelhinhas saíam voando, levadas por Buru.
Já havia quatro ovelhinhas, até que um dia ele teve uma ideia, pegou as peles das ovelhinhas sumidas, e cobriu o seu cachorrinho, transformando o seu amiguinho numa ovelha disfarçada indo depois pescar, esperando a malvada ave levar mais um animalzinho, quando ele desceu a serra, viu um vulto enorme, era seu cachorrinho latindo e rosnando, brigando com Buru, que saiu machucado e enraivado foi procurar outras ovelhinhas que não latissem.
Assim Tote passou a andar entre as ovelhinhas, sendo aquecido durante a noite fria do sertão, em troca disso o cão as protegia dos animais caçadores durante o dia.

Marcelo de Oliveira Souza
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui