Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
30 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54746 )
Cartas ( 21052)
Contos (12072)
Cordel (9445)
Crônicas (21020)
Discursos (3104)
Ensaios - (9890)
Erótico (13109)
Frases (39743)
Humor (17539)
Infantil (3557)
Infanto Juvenil (2306)
Letras de Música (5410)
Peça de Teatro (1309)
Poesias (135412)
Redação (2863)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2371)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4160)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Infantil-->O HOMEM E O SABIÁ -- 23/05/2014 - 09:21 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Foto: Contemplando o Criador, através da obra criada. (Oração contemplativa)

Certo dia, um homem estava à sobra de sua amoreira, quando um sabiá pousou num galho muito baixo. Logo que viu o homem, o pássaro mudou-se para o alto, e o homem disse-lhe: Não tenhas medo, eu não lhe farei mal algum! Muito atento a qualquer movimento externo, o sabiá se alimentava dos frutos maduros, porque eram doces e agradáveis aos olhos. 

O homem olhava aquele ser tão pequeno, e que tinha uma voz tão grande, de modo  que nenhum instrumento feito pelo homem é capaz de  reproduzir seu som, mas apenas imitá-lo. Então o homem disse ao pássaro: Você pode vir comer todos os dias os frutos da árvore que meu Pai plantou, mas tenho uma observação a fazer: Você come e vai cantar longe, cante aqui também!

O sabiá inclinou levemente o pescoço na direção do homem e disse-lhe: Quando eu estou aqui, você pode me ver,  admirar a coloração de minhas penas e a anatomia perfeita de meu corpo feito para voar, mas quando eu canto em outro lugar, é para que você saiba  que estou por perto.

Fonte:
Texto Adalberto Lima
Imagem: Google (treknature.com)

O HOMEM E O SABÍA

Certo dia, um homem estava à sobra de sua amoreira, quando um sabiá pousou num galho muito baixo. Logo que viu o homem, o pássaro mudou-se para o alto, e o homem disse-lhe: Não tenhas medo, eu não lhe farei mal algum! Muito atento a qualquer movimento externo, o sabiá se alimentava dos frutos maduros, porque eram doces e agradáveis aos olhos.

O homem olhava aquele ser tão pequeno, e que tinha uma voz tão grande, que o homem  não é capaz de  reproduzir seu som, mas apenas imitá-lo. Então o homem disse ao pássaro: Você pode vir comer todos os dias os frutos da árvore que meu Pai plantou, mas tenho uma observação a fazer: Você come e vai cantar longe, cante aqui também!

O sabiá inclinou levemente o pescoço na direção do homem e disse-lhe: Quando eu estou aqui, você pode me ver,  admirar a coloração de minhas penas e a anatomia perfeita de meu corpo feito para voar, mas quando eu canto em outro lugar, é para que você saiba  que estou por perto. Assim, se você ouve meu canto, sabe que vivo, por causa do canto.

Fonte:

Texto Adalberto Lima

Imagem: Google (treknature.com)

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 0Exibido 261 vezesFale com o autor