Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
69 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54748 )
Cartas ( 21052)
Contos (12073)
Cordel (9448)
Crônicas (21020)
Discursos (3104)
Ensaios - (9891)
Erótico (13112)
Frases (39744)
Humor (17539)
Infantil (3557)
Infanto Juvenil (2306)
Letras de Música (5410)
Peça de Teatro (1309)
Poesias (135420)
Redação (2863)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2371)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4160)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Infantil-->Linguagem universal -- 14/05/2017 - 08:11 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
 
 
Com seu poder sobrenatural, o anel de sete cores levou Emília ao mundo encantado das formigas, mantendo sua meninice, para que ela pudesse viver as fantasias que povoam a imaginação das crianças. E enquanto viajava no arco-íris, viu nuvens apressadas, muito apressadas, que, ora  tapavam o sol com uma peneira, ora o sol aparecia peneirado, rendilhado  em um e outro rasgão de espessa nuvem.
A viajante do anel de sete cores aterrissou em terra firme na outra ponta do arco-íris. Dormia pesadamente, e, quando acordou; em sua volta, formigas trabalhavam para abastecer o celeiro. Emília deu alguns passos, sem direção, acompanhando com olhar atendo o deslocar de uma formiga operária. Adiante, a formiga parou exausta, cansada, talvez ferida ou doente, e   foi  levada por outra mais robusta, por longo percurso no caminho das formigas, que, para Emília, era apenas um mover de dedos. Em certo ponto, a formiga que prestava socorro parou, levantou as patinhas, esfregou os olhos e viu a menina como obstáculo quase intransponível, um gigante, que mais parecia  uma montanha de carne que lhe  poderia servir de alimento. ‘Nem pensar!’ Protestou Eco, a formiga inteligente: ‘Comer a  viajante das estrelas seria declarar guerra aos humanos...’ ‘Tem lógica’, concordou Logia. Emília entendeu e afastou-se um pouco. A formiga entrou no formigueiro e mnutos depois, um exército de formigas surgiu na porta do palácio real e anunciou a festa de recepção ao filhote de homem.  Bethowver , a formiga cantora, entoou uma música mágica, e a partir de então, toda a comunidade se comunicou com a visitante em linguagem universal — a música. 
***

Texto: Adalberto Lima
Imagem: Internet.
Adalberto Lima
Enviado por Adalberto Lima em 14/05/2017
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 0Exibido 32 vezesFale com o autor