Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
126 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56600 )
Cartas ( 21127)
Contos (12498)
Cordel (9854)
Crônicas (21849)
Discursos (3121)
Ensaios - (9994)
Erótico (13199)
Frases (41604)
Humor (17728)
Infantil (3604)
Infanto Juvenil (2328)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (137016)
Redação (2886)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4495)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Infantil-->O LEÃO MENTIROSO -- 18/12/2017 - 07:40 (Maria Hilda de J. Alão) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


O LEÃO MENTIROSO



Maria Hilda de J. Alão




Era uma vez um leão orgulhoso que morava numa floresta imensa cheia de outros bichos e muitos pássaros. Um dia, depois de farta caça e comer demais, o leão engasgou-se com um pedaço de osso. Ficou deitado de boca aberta rugindo desesperado por causa da dor que o osso provocava em sua garganta. Foi então que ele avistou um pássaro pousado no galho de uma grande árvore. Gemendo ele falou:

- Passarinho, se você conseguir tirar esse osso da minha garganta eu lhe prometo que nunca faltará comida para você e sua família e para todos os pássaros desta floresta.

- Veja senhor leão, promessa é dívida e uma mão lava a outra.

- Eu sei disso tudo passarinho, mas pode tirar essa coisa da minha garganta?

Uma coruja, escondida entre as folhas da mesma árvore onde o pássaro morava, murmurou:

- Não faça isso passarinho. Esse aí não dá nada a ninguém. Volte para o seu ninho.

Sem ouvir o murmúrio da sábia coruja, o pássaro voou para dentro da boca do leão e com muito esforço conseguiu tirar o pedaço de osso que incomodava a fera. Tempos depois aconteceu uma seca terrível. Todo o verde da mata desapareceu, os rios ficaram quase secos, tinha uma poça de água aqui, outra acolá que os bichos disputavam com unhas e dentes. Com a vegetação seca não havia brotos nem lagartas, nem sementes para alimentar os pássaros. O pássaro que ajudou o leão estava no ninho com sua companheira que chocava dois ovos. Ele saía todos os dias para procurar comida e nada. Ele pensava:

- Desse jeito meus filhotes não nascerão. A mãe deles não pode ficar sem comer.

E voou mais uma vez em busca de comida. Numa dessas buscas por comida, lá bem distante do lugar onde ficava seu ninho, o pássaro avistou o leão sob uma árvore seca roendo um grande osso. Ele pousou em um dos galhos da árvore e pediu;

- Nobre leão, dar-me-ia algumas migalhas desse seu banquete? Preciso alimentar minha companheira ficou no ninho chocando dois ovinhos.

- Não! Exclamou com voz forte e ressoante o orgulhoso leão.

- Grande leão, lembra-se da promessa que me fez quando tirei o osso da sua garganta?

- Por que me cobras o favor prestado? Eu sou um rei e rei não deve nada a ninguém. Fique longe da minha comida ou virará uma.

Triste o pássaro voltou para o ninho sem nenhuma comida e pensando o quão mentiroso e mesquinho era aquele leão. A coruja vendo a tristeza do passarinho puxou conversa:

- Meu amigo, nunca faça favores esperando retribuição porque aquele que recebe o favor quase sempre é um ingrato, um mentiroso que na hora da aflição promete tudo mesmo sabendo que não cumprirá.



18/12/17

(histórias que contava para o meu neto)


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 27Exibido 305 vezesFale com o autor