Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
111 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54601 )
Cartas ( 21043)
Contos (12053)
Cordel (9422)
Crônicas (20970)
Discursos (3102)
Ensaios - (9880)
Erótico (13102)
Frases (39648)
Humor (17532)
Infantil (3554)
Infanto Juvenil (2304)
Letras de Música (5408)
Peça de Teatro (1309)
Poesias (135308)
Redação (2862)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2371)
Textos Jurídicos (1912)
Textos Religiosos/Sermões (4143)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->18. AOS SOCORRISTAS -- 17/05/2003 - 07:39 (wladimir olivier) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
WLADIMIR OLIVIER

— “Graças a Deus, estou salvo!”
Há de dizer o papalvo
Que acreditar em promessas.
Para se alcançar vitória,
Há que se escrever a história
Da perversão às avessas.

Muitas vezes, a sevícia
É que esconde a tal malícia
Da compra do Paraíso.
Quem sofreu tremendas dores
Deseja ter resplendores:
Do contrário, é prejuízo.

Atender aos semelhantes,
Cada dia mais que antes,
É um sem-fim de bondade.
Quem suspender o trabalho,
Cansado do duro malho,
Interrompe a caridade.

Fazer o bem é costume
Que vai acender o lume
Das almas mais generosas.
A boa ação que se faz
Gera um momento de paz,
A se cantar nestas glosas.

Todo pensamento bom
Preserva do amor o dom
A quem segue as leis do Pai.
Equilíbrio das virtudes,
Em todas as atitudes
A humildade sobressai.

Jesus nos traz alegria
Quando adentra esta poesia
E nos fala do seu Reino.
Mas ficamos bem mais sérios
Ao revelar que os mistérios
Vão exigir muito treino.

O cansaço é natural,
Quando se combate o mal,
Dia e noite, sem parar.
Se estivermos conturbados,
Compreendamos os recados
Para irmos devagar.

Mas não façamos negócio,
Querendo trocar o ócio
Por um punhado de vícios.
Edificante leitura
Pode dar à criatura
A noção dos artifícios.

Eis o tema destes versos,
Que, embora sejam perversos,
Buscam o bem do leitor.
Enquanto o amigo medita,
Esta tarefa bendita
Demonstra que tem valor.

A partir desse conjunto,
Firmaremos nosso assunto,
P ra ninguém ficar parado.
Nesta hora de lazer,
Vai causar-nos só prazer,
Se o poema for de agrado.

Os terríveis desenganos
Soem causar aos humanos
Desespero e ansiedade.
Nós também ficamos tristes,
Quando só ouvimos chistes,
Ao falar com seriedade.

Por isso é que os nossos versos
Vão em pessimismo imersos,
Já que a luta é quase insana.
Por melhor que imaginemos,
Falta força para os remos
E o leitor já não se irmana.

Esfolamos os joelhos,
Mas passamos os conselhos
De uma forma até infantil.
É que, p ra se estar seguro,
Há de se livrar do apuro
Da passagem em funil.

Ao trabalhar pelo irmão,
Dê de cara o seu perdão:
São poucos que reconhecem.
Leve tudo numa boa,
Para não lutar à toa:
Tais conselhos não se esquecem.

E quando alguém compreender
A luta além do dever,
Em sacrifício sincero,
Dê-lhe apoio permanente,
Pois é raro quem intente
Prosseguir da estaca zero.

É aí que o Espiritismo
Tem de mostrar otimismo,
No plano da evolução.
Os benfeitores do etéreo
Vão levar você a sério
E as luzes reforçarão.

Denizard viu o problema
Dessa rejeição extrema
Da maioria do povo.
Mas prosseguiu sem temer,
Consciente do seu dever
De explicar a lei de novo.

Nunca pare nessa lida,
Que a persistência, na vida,
É, sim, sagrada virtude.
O desânimo de um dia
Há de tornar-se alegria,
Ao retornar a saúde.

Concluímos a poesia,
Espontânea melodia,
A demonstrar o que somos.
Agradecemos ao Pai
Por sabermos que alguém vai
Compartir os doces gomos.

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui