Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
20 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56917 )
Cartas ( 21164)
Contos (12585)
Cordel (10041)
Crônicas (22162)
Discursos (3133)
Ensaios - (8972)
Erótico (13389)
Frases (43441)
Humor (18410)
Infantil (3757)
Infanto Juvenil (2644)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138081)
Redação (2919)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2399)
Textos Jurídicos (1924)
Textos Religiosos/Sermões (4807)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->AS ARMADILHAS DA LÍNGUA PORTUGUESA EUROPEIA -- 07/01/2011 - 15:28 (Carlos Rogério Lima da Mota) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Apesar de Brasil e Portugal serem países amigos e falarem o mesmo idioma, não é raro cairmos nas armadilhas impostas pela semântica lexical. Durante estes 17 dias em que estou em Lisboa, Portugal, deparei-me com termos cujos significados variam de acordo com a região e/ ou com o modo como são enunciados.



Um exemplo clássico é o termo "facto" - que já não existe mais no vocabulário português brasileiro (pt-BR), que pode se referir a um acontecimento ou a um terno (roupa), caso se retire a consoante “c” . Este, aliás, é um dos motivos que fez com que a classe intelectual de Portugal criasse um abaixo-assinado on-line a fim de barrar no Parlamento a adoção do novo acordo ortográfico, conforme determinado outrora pela CPLP – Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, o foro em que se reúnem os oito países falantes do português para definirem o futuro do respectivo idioma.



Ao retirar-se o “c” de “facto” (fato), a palavra passaria a ter apenas um significado, provavelmente “acontecimento”, como já ocorre no léxico tupiniquim. Mas o que parece simples aos nossos olhares, para o português de origem arcaica representa o empobrecimento da língua. E aí reside o entrave-mor do alardeado acordo. Todavia, enquanto os países não chegam a um consenso, vejamos outros exemplos relativos à diferenciação de significados.



Aqui, não se diz banheiro, mas casa de banho; criança é miúdo, puto é rapaz (inacreditável, não?), rapariga é moça direita (adjetive qualquer mulher do Brasil com este termo para ver o que lhe acontece), bébé é bebê, alguidar é bacia e biberon é mamadeira. Já sacola de plástico, daquelas usadas em supermercado, é saco; bolinha é pão francês, estufar é cozinhar, lume é fogo, levar ao lume é levar ao forno; ônibus é autocarro, rotunda é rotatória (via), comboio é trem metropolitano, metro é o metrô, deitar fora é desfazer-se de algo, e, pasmem, ao atender ao telefone eles não dizem os habituais "alô" ou "pronto", mas "tô" ou “tó”, abreviações do verbo estar.



Não bastassem estas pérolas linguísticas, há também a tal da bicha, que aqui, como muitos no Brasil já sabem, é fila. Assim, quando uma fila tem muitos clientes, é comum vozearem “como a bicha está grande”. Se esta moda pega...



* Original de Carlos Rogério Lima da Mota, direto de Alvalade, Lisboa / Portugal.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui