Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
117 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56837 )
Cartas ( 21161)
Contos (12584)
Cordel (10016)
Crônicas (22154)
Discursos (3133)
Ensaios - (8956)
Erótico (13388)
Frases (43357)
Humor (18384)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138035)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4771)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->GARRA DO DIABO -- 21/12/2000 - 20:14 (Márcio Filgueiras de Amorim) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Nome botânico: Harpagophy-tum procubens D.C.

Família: Pedaliaceae

Parte utilizada: tubérculos.

A garra-do-diabo desenvolve-se em áreas relativamente limitadas da África, especialmente no deserto do Kalihari e nas estepes da Namíbia. Seu nome provém do aspecto do fruto ramoso e lenhoso provido de barbas semelhantes a garras.
A planta era comumente usada pelos africanos, na forma de infusão, em doenças reumáticas, diabetes, arteriosclerose, doenças do fígado, rins e bexiga.
Além de possuir também uma possível ação benéfica sobre doenças do estômago, vesícula, pâncreas e intestinos. Também proclamavam que seu uso regular reduzia os males da velhice e as artérias tornavam-se mais elásticas.
Embora fosse de conhecimento botânico desde o século XIX, foi somente após a Primeira Guerra Mundial, inicialmente na Alemanha, que desenvolveram-se estudos sobre suas propriedades farmacológicas.

Constituintes: heterosídeos iridóides (harpagoside e procumbina) ácidos aromáticos (cafêico, cinâmico e clorogênico) beta-sitosterol açúcares (glucose, frutose, rafinose) óleo essencial
triterpenos, flavonóides, harpagoquinona.

Ação: Analgésica, antiinflamatória e espasmolítica, estimulante digestivo.

Propriedades farmacológicas: Pela ação dos heterosídeos iridóides e do beta-sitosterol, a garra-do-diabo desempenha sua principal propriedade, a de antiinflamatória, por mecanismos de
inibição da síntese de prostaglandinas, interferindo na permeabilidade da membrana celular e influenciando a inibição da prostaglandina sintetase; o harpagoside possui ação antiespasmódica.
A garra-do-diabo favorece um aumento da atividade do fígado, estimulando a desintoxicação, especialmente quanto à eliminação de uréia.
Possui também um efeito estimulante sobre o sistema linfático.
Estudos ainda em desenvolvimento buscam elucidar sua provável ação sobre a vesícula, pâncreas, estômago, intestinos e rins.

Indicações: Fitoterápico: no tratamento de doenças reumáticas, artrite, artrose, gota e reumatismo, dispepsia, falta de apetite.

Contra-indicações: Pessoas com úlcera nas vias digestivas e intestinais, gravidez.

Efeitos colaterais: O uso prolongado da garra-do-diabo pode causar distúrbios na digestão, como dispepsia. A urina pode apresentar-se ligeiramente escurecida durante o uso da garra-do-diabo.

Uso durante a gestação/lactação: Seu uso é contra-indicado por possuir ação abortiva. Pela presença de beta-sitosterol, um composto que pode ter ação hormonal, seu uso não é
recomendado durante a gestação, especialmente nos últimos meses, podendo retardar o parto.

Precauções: Em casos de hipersensibilidade, descontinuar o uso e procurar orientação médica.

Interações: Pode ser combinada com me-nyanthes, apium, gaultheria e dioscorea, nos casos de reumatismo.

Dosagem/Modo de usar: Fitoterápico
Decoto: 5 a 15mg em 500ml de água
Pó: 250mg a 3g/dose: 3 a 9g/dia
Extrato fluído em 25% de álcool: 0,10 a 0,25ml três vezes ao dia
Tintura 1:5 em 25% álcool: 0,5 a 1ml três vezes ao dia.

Duração e administração:

Tomar durante 4 a 6 semanas. Nos casos mais graves, 6 a 8 semanas, sem interromper o tratamento.

Superdosagem: Pode provocar náuseas, vômitos e pequena ação laxante.

Precauções e armazenamento: Armazenar preferencialmente em recipientes herméticos, em ambiente seco e arejado, ao abrigo da luz solar.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui