Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
100 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55586 )
Cartas ( 21086)
Contos (12217)
Cordel (9652)
Crônicas (21424)
Discursos (3115)
Ensaios - (9924)
Erótico (13156)
Frases (40562)
Humor (17585)
Infantil (3581)
Infanto Juvenil (2319)
Letras de Música (5429)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (136176)
Redação (2882)
Roteiro de Filme ou Novela (1041)
Teses / Monologos (2376)
Textos Jurídicos (1910)
Textos Religiosos/Sermões (4276)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Salgueiro chorão -- 17/10/2011 - 08:24 (maria da graça almeida) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Os faróis dos trens, ao chegar à cidade, incidiam sobre o salgueiro chorão,
que prateado soluçava, num espetáculo inesquecível de farta inquietação...
Desde o tempo de menina almejava em meu jardim o chorão ou a casuarina.
Lindo é seu porte, belas as suas hastes, recheadas de folhas longilíneas , que lânguidas, femininas voltam-se ao chão, porém, a superstição inibiu-me a intenção. Associei-o à... tragédia de meus amigos, precocemente expulsos da vida - ainda que o chorão não tivesse  nenhuma participação, a não ser pelo balouçante espectro, que, no quintal, depois da partida dos moços em questão, altivo, subia, em sinistra exibição.
Implantou-me sua figura à memória e sobre mim cristalizou-se feito símbolo de tal história. Fato que não me permitiu concretizar o antigo desejo, ora adormecido. Em face de tal associação não cedi aos impulsos do plantio,
e, hoje em dia, a redimir-me da extrema covardia, resolvi escrever um inócuo poema cujo espécime uso agora como tema.

Salgueiro chorão
Maria da Graça Almeida

Na ilha da terra sofrida,
no fim do mundo e da vida,
humilde, olhando o chão,
triste gemia o chorão.

- Por quem choras, ó chorão,
este choro sem consolo?
Cá estou, à tua mão,
ofertando-te apoio!

- Este choro é bem antigo,
sufocado, reprimido,
pois de face para o chão,
não vejo da lua o clarão!

- Alegra-te, bom amigo,
não desprezes o que digo,
na água que te rodeia,
tão mais perto refletida,
terás linda a lua cheia!

(Quando o olho então já cego,
às visões da alma me entrego.
Aos reveses desta vida,
soluções alternativas.)

Comentários

Walter R Simõe  - 20/03/2012

E eu que pensava ser solitário, correndo para aquele banco verde de madeira frente ao bar Scatena, às 21:30hs, quando o trem vinha de Santa Adélia, só para ver sua luz bater naquele belo chorão. Acho que bebemos emoções semelhantes.
Abraços

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui