Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
76 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54943 )
Cartas ( 21059)
Contos (12121)
Cordel (9542)
Crônicas (21131)
Discursos (3109)
Ensaios - (9910)
Erótico (13133)
Frases (39897)
Humor (17551)
Infantil (3560)
Infanto Juvenil (2308)
Letras de Música (5414)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135650)
Redação (2874)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2374)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4195)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Textos_Jurídicos-->Na senda do crime ... -- 28/05/2015 - 18:19 (Armando A. C. Garcia) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:143769020677763600

Na senda do crime...


Tem sintomas de amargura
A vida que escolheste
Ela leva à sepultura
Caminho dos aciprestes

Trilhar caminhos errados
Não dá camisa a ninguém
Alguns ficam mutilados
Outros, jogados ao desdém

No caminho fácil, é difícil
De vencer os obstáculos
Trajetória incondicional
De tropeços e buracos

Vive a vida em sobressaltos
Aparentando destemor
Com arma pratica assaltos
Sem ela, medo e pavor

É o fim da valentia
É o fim do destemor
É a imensa covardia,
Sem as balas no tambor

A cadeia é o seu lar
Entra e sai, continuado
Promete que vai parar
Prometer, dissimulado

Insurge-se estupefato
Ao sistema prisional
Quer que o deixem de fato
Livre, sem condicional

Alguns vão pro cemitério
Outros vão para a cadeia
Esse o grande mistério
De quem rouba coisa alheia

O ladrão de carteirinha
É como cantor do fado
Quando a noite se avizinha
Não pode ficar calado.

E os da elite engravatada,
Que roubam o erário público
Esses... não temem é nada,
E ainda se dizem repúblicos

Têm mesma índole no sangue
Do ladrão que rouba e mata,
Só que a deste, é uma gangue
Que a polícia desbarata.

A outra, mais sublimada
Precisa o FBI intervir.
Aqui, com sua carteirada
Eles, não se deixam punir.

Essa elite engravatada
Não rouba coisa pequena
Cem mil, pra eles não é nada
Só milhões lhe vale a pena.

Porangaba, 28/05/2015 (data da criação)
Armando A. C. Garcia

Visite meu blog:
http://brisadapoesia.blogspot.com

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 12Exibido 225 vezesFale com o autor