Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
84 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55233 )
Cartas ( 21066)
Contos (12158)
Cordel (9594)
Crônicas (21296)
Discursos (3112)
Ensaios - (9914)
Erótico (13140)
Frases (40130)
Humor (17564)
Infantil (3567)
Infanto Juvenil (2310)
Letras de Música (5416)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135864)
Redação (2879)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4226)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Vagando mundo a fora. Ana Zélia -- 11/02/2016 - 18:52 (Ana Zélia da Silva) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Vagando mundo a fora.

Ana Zélia

Chove num domingo de carnaval.
O mundo aqui tem luzes, tem um monstro sem cabeça que me obedece fielmente ou revoltado,
mas fiel aos meus escritos.
Caminho em veredas estreitas demais, todas elas circundadas de cipós com muito espinho.
Teria me acostumado com eles, convivemos há bastante tempo.
Cortei com terçado afiado os mais perigosos e hoje não tenho forças para destruir
Outros menores, porém muito próximos.

Choro em silêncio lágrimas sem água, aqueles olhos que encantavam perdeu o brilho.
Choro contando as pedras da estrada longa que ainda cruzo,
já sei de cor a quantidade delas e onde se localizam.

Não posso escrever seus nomes porque o mundo desabaria e minha cabeça não suporta seu peso,
tento desviar-me com cuidado para que não me sufoque madrugada a dentro.
Como é difícil ao poeta escurecer as palavras quando elas são mais claras que o dia.
A poesia é a fuga, poeta não pode mentir, mas pode fingir...

Dor que sufoca com palavras ferinas, velhice é peso aos que caminham pra ela.
Causa dó ouvir lamentos de que a eles cabem a desgraça de cuidar,
zelar por quem dedicou a vida inteira a protegê-los.

Melhor parar.
Xxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Manaus, 7.02.2016
Nota da autora- Tem certos dias em que achamos que o mundo mudou e
nós continuamos caminhando no mesmo erro. Sem forças, sem rota, sem rumo,
um barco perdido, meu barco afundou não pode atracar,
cadê meus marujos para ajudar. Manaus, 11 de fevereiro de 2016
Comentários

Everaldo Nascimento  - 15/03/2016

Parabéns Ana Zélia!

Eliana  - 12/02/2016

Poetisa Ana Zélia meus aplausos para seu artigo .
Ser feliz consome muito escreveu o poeta Jackson Brown Jr.
Abraços poetisa e jamais desista de si mesmo.

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 23Exibido 186 vezesFale com o autor