Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
90 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55449 )
Cartas ( 21078)
Contos (12180)
Cordel (9615)
Crônicas (21378)
Discursos (3114)
Ensaios - (9921)
Erótico (13151)
Frases (40387)
Humor (17575)
Infantil (3578)
Infanto Juvenil (2314)
Letras de Música (5425)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (136055)
Redação (2881)
Roteiro de Filme ou Novela (1040)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1909)
Textos Religiosos/Sermões (4248)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->“A gente ainda somos inútil” -- 25/04/2016 - 02:51 ( Andre Luis Aquino) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
“A gente não sabemos escolher presidente/A gente não sabemos tomar conta da gente/A gente não sabemos nem escovar os dente/Tem gringo pensando que nóis é indigente/Inútil/A gente somos inútil” (Ultraje a Rigor – “Inútil”)

Apesar de todo nosso drama, o brasileiro adora comédia. O Brasil, que é o pais da piada pronta, pede para que respeitem nossas lágrimas, mais ainda mais nossas risadas. Rimos como ninguém da nossa própria desgraça, porque rir é nosso melhor remédio, afinal podemos perder um amigo, mas não perdemos a piada. O ultraje a rigor lançou “Inútil” em 1985 num contexto histórico diferente do que vivemos agora, porém apesar disso a música ainda continua atual. Porque no Brasil mesmo quando as coisas mudam, elas ainda continuam se parecendo as mesmas. Com uma dose de ironia e um sutil tom crítico, a concordância errada na música (usando a locução “ a gente” ao invés de nós), pode ser interpretada como uma provocação reforçando a nossa "inutilidade" ao não saber escolher presidente, jogar bola e nem ao menos escrever descentemente.
“A gente não sabemos escolher presidente”, quem elege é o povo, e o voto de cada um de nós tem o mesmo valor, seja de um rico ou seja de um pobre. Porém somos um país cuja desigualdade social faz com que as classes menos abastadas sejam mais numerosas. São justamente os menos afortunados quem decidem uma eleição, pois depositam numericamente mais votos nas urnas. É essa grande massa de inocentes, porém ignorantes, que não têm cultura e nem educação suficientes para realizar boas escolhas, porque é interessante mantê-los na ignorância, que manipulados elegem populistas que falsificam a democracia. Foi assim com Collor o líder dos descamisados; o FHC, homem que doma a inflação; o Lula, pai dos pobres e Dilma, mãe do Bolsa Família e do PAC.
O pobre brasileiro pra político é gado e suas bases eleitorais são como currais. Miséria não se acaba com TV de tela plana, máquina de lavar ou celular, a miséria termina quando as pessoas se educam e recebem mais conhecimento. Governos populistas fazem o povo acreditar que quem tem dinheiro é contra os pobres. O pobre brasileiro passa a vida dependendo de favores do estado, e saber manipular essa dependência é a habilidade de todo político de sucesso. Para um populista, o pobre só é um anjo enquanto for pobre. Se enriquecer, vira um demônio. Não se engane, populistas não são amigos dos pobres, eles são sócios da pobreza.
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui