Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
69 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55345 )
Cartas ( 21072)
Contos (12178)
Cordel (9607)
Crônicas (21339)
Discursos (3113)
Ensaios - (9921)
Erótico (13148)
Frases (40254)
Humor (17570)
Infantil (3576)
Infanto Juvenil (2311)
Letras de Música (5420)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135960)
Redação (2881)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1909)
Textos Religiosos/Sermões (4239)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->MACHUCADURAS -- 28/11/2016 - 15:02 (valentina fraga) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Dias atrás, olhando algumas mensagens nas redes sociais, nas quais eu não sou muito ligada, a não ser que seja coisa de trabalho, me deparei com uma frase de autoria de Jô Soares, que na verdade, pode ser ou não, mas que calou fundo no meu coração.
A frase dizia em outras palavras que só devemos ocupar um espaço na vida de alguém quando esse alguém nos permite ocupar, entretanto, essa oferta não deve ser acompanha de uma imposição de que nos diminuamos para caber no espaço destinado a nós.
A primeira coisa que lembrei, foi da minha adolescência. Quando ainda crescia, o pé resolveu crescer primeiro e eu era bem pequena e já calçava 38. Um absurdo na minha opinião, em primeiro lugar porque não achava estético e em segundo lugar, a oferta de sapatos para mocinha, sempre aconteciam para o numero 36 e 37 e é fácil adivinhar o que eu fazia. Sempre chegava em casa com três ou quatro pares de sapatos, geralmente fechados, para um maior suplício, e todos 37 ou às vezes, se o preço fosse muito bom, 36, e além de tudo achava os pés horríveis, e isso ainda acho.
O resultado de colocar meus pés em um sapato que não os cabia era catastrófico. Chegava ao final do evento com bolhas, com muitas dores e os pés doendo horrivelmente. Fiz isso minha vida toda, e bem mais tarde, depois de pés levemente deformados, cheguei à conclusão que tinha de aceitar que diminuir meus pés para entrar num sapato não era um bom negócio.
O fato é que a frase em questão, não se referia a sapato, ou roupa, mas, ao relacionamento humano. Cada pessoa tem um tamanho, e esse espaço é ocupado por pessoas, cada um em seu estágio próprio de relacionamento, sendo, pai, mãe, irmãos, amigos, mulher, filhos.
Quando temos intenção de fazer parte da vida de alguém, é interessante perceber se aquela pessoa tem espaço disponível para nos receber, e nela deve existir o espaço necessário que nos caiba, para que não haja necessidade de que sejamos diminuídos em nossa importância para que possamos fazer parte de sua vida.
Hoje, ainda que mais velha, bem mais velha, volta e meia, me vejo encolher para entrar em espaços já ocupados, e sei que não dá certo sei que vou me machucar. Já tenho bastantes machucaduras.
Da mesma forma que um pé é castigado em um sapato apertado, vamos nos machucar fisicamente, e se insistirmos em entrar na vida de uma pessoa que não tenha espaço para nos receber, vamos nos violentar emocionalmente. Não importa o que estejamos dispostos a fazer, se não houver espaço, o melhor à fazer, é recolher, e buscar em outros, um espaço onde possamos exercer nossos interesses, nossa amizade, nossos sentimentos, e nosso amor.


Comentários

george luiz de carvalho batista  - 02/12/2016

Entre no Site Tudo Pela Poesia de George Luiz e fique por dentro dos poemas deste poeta.

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 14Exibido 179 vezesFale com o autor