Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
92 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55060 )
Cartas ( 21063)
Contos (12134)
Cordel (9568)
Crônicas (21229)
Discursos (3108)
Ensaios - (9913)
Erótico (13135)
Frases (39988)
Humor (17551)
Infantil (3562)
Infanto Juvenil (2309)
Letras de Música (5414)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135730)
Redação (2875)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2374)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4205)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Carnaval 2017 -- 04/03/2017 - 08:02 (Lita Moniz) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos



                                          Carnaval 2017 no Brasil



      Tantos carnavais, tanta folia nas ruas, tanta alegria a passar, 2017 não foi diferente.



O Brasil despede-se no carnaval dos dias festivos natalinos, das festas de final de ano,



das boas-vindas ao  ano que vai chegar. É assim o povo brasileiro: só depois do carnaval,



é que a vida volta a ser o que sempre foi. Talvez, por isso, este povo estenda este clima de festas de final de ano até ao carnaval. E isto não é prerrogativa só do Brasil.



     Um professor de história em uma de suas aulas nos dizia que o povo português nunca



foi tão feliz como quando esteve sob o domínio  do Império Árabe. O motivo ele tratou de explicar depressa para nos aliviar do susto que levamos diante desta afirmação.



    Os árabes celebram suas crenças, sua história com muitos feriados ao longo do ano.



também naquela época a igreja católica tinha muitos mais feriados religiosos do que hoje,



para sintetizar: uma boa parte do mês era de festas destes dois povos. E nisto se resumia



a alegria daquele povo. Trabalhava menos, festejava mais.



     O Brasil no carnaval despede-se em alto estilo da utopia.



     Descrente de tudo, veste-se de purpurina, põe um sorriso no rosto, junta-se ao povo



lá fora para mandar a tristeza embora.



     Não sei qual a fantasia que melhor lhe cai, se a de reis, de rainhas, de princesas, de povo



abastado a viver confortavelmente em seus palácios, ali representados por carros alegóricos



a esbanjar luxo, riqueza e poder por todos os lados, ou se a que vai vestir quarta-feira de cinzas, quando retorna para os seus humildes casebres.



      Ou se a utopia ali representada já não será a realidade a que este povo tem direito.



Uma terra bonita por natureza, um solo, que de tão fértil  proporciona quatro colheitas por ano. Riquezas naturais inesgotáveis que vão de ouro, diamantes, petróleo, ( o ouro negro) a alavancar toda a forma de progresso que se queira aqui desenvolver.



      Por isso talvez a área das baianas que representam as avós, as mães do Brasil, estejam ali



à semelhança das loucas de Maio, como eram chamadas as avós e mães Argentinas a protestar na praça de Maio contra  a violência, que matou seus filhos e netos, e continua a matar.



    A ala das crianças a desfilarem a alegria que a escola, a vida em família, a sociedade em geral tem o dever de lhe proporcionar. À criança deve ser dado o direito de não fazer nada, e aprender como quem  brinca de ser gente grande.



    A ala do povo a pedir mudanças sociais em todas as áreas, em todas as instâncias.



Cansados das estratégias nacionais de combate à pobreza, quando na verdade servem



para distribuir dinheiros pelas organizações que fomentem a subsidiodependência.



      Ali devem estar jornais, as rádios, as televisões, a mídia em geral , as redes sociais atentas e comprometidas com uma leitura séria, abrangente e sair a campo mostrando o recadoque cada escola de samba  deu ao passar.



    O mesmo acontece em todas as manifestações carnavalescas pelo Brasil afora. O que são os bonecos das ruas de Salvador na Bahia? De Olinda em Pernambuco?



 Que alegria nos passa o carnaval de rua?



    São o verdadeiro “Abre alas que o povo precisa passar” Há muita coisa para dizer,  muito



para reivindicar.



 



                                                                                                 Lita Moniz



 


Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 5Exibido 106 vezesFale com o autor