Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
77 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54806 )
Cartas ( 21052)
Contos (12086)
Cordel (9484)
Crônicas (21045)
Discursos (3105)
Ensaios - (9892)
Erótico (13118)
Frases (39762)
Humor (17540)
Infantil (3559)
Infanto Juvenil (2307)
Letras de Música (5410)
Peça de Teatro (1309)
Poesias (135479)
Redação (2869)
Roteiro de Filme ou Novela (1034)
Teses / Monologos (2371)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4164)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Os Sexalescentes -- 06/07/2017 - 10:33 (Lita Moniz) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Os Sexalescentes do Século XXI*

> Os Sexalescentes do Século XXI*
>>>
>>> "Se estivermos atentos, podemos notar que está surgindo uma nova faixa
> social, a das pessoas que estão em torno dos sessenta/setenta anos de
> idade, os sexalescentes é a geração que rejeita a palavra
> "sexagenário", porque simplesmente não está nos seus planos deixar-se
> envelhecer.
>>>
>>> Trata-se de uma verdadeira novidade demográfica, parecida com a que em
> meados do século XX, se deu com a consciência da idade da adolescência, que
> deu identidade a uma massa de jovens oprimidos em
> corpos desenvolvidos, que até então não sabiam onde meter-se nem como
> vestir-se.
>>>
>>> Este novo grupo humano, que hoje ronda os sessenta/setenta anos, teve
> uma vida razoavelmente satisfatória.
>>>
>>> São homens e mulheres independentes, que trabalham há muitos anos e
> conseguiram mudar o significado tétrico que tantos autores deram, durante
> décadas, ao conceito de trabalho.
>>>
>>> Procuraram e encontraram, há muito, a atividade de que mais gostavam e
> com ela ganharam a vida.
>>>
>>> Talvez seja por isso que se sentem realizados! Alguns nem sonham em
> aposentar-se. E os que já se aposentaram gozam plenamente cada dia, sem
> medo do ócio ou solidão. Desfrutam a situação, porque depois de anos de
> trabalho, criação dos filhos, preocupações, fracassos e sucessos, sabem
> olhar para o mar sem pensar em mais nada, ou seguir o voo de um pássaro da
> janela de um 5º andar...
>>>
>>> Algumas coisas podem dar-se por adquiridas.
>>>
>>> Por exemplo: não são pessoas que estejam paradas no tempo: a geração dos
> "sessenta/setenta", homens e mulheres, maneja o computador como se o
> tivesse feito toda a vida. Escrevem aos filhos que estão longe e até se
> esquecem do velho telefone fixo para contatar os amigos - mandam WhatsApp
> ou e-mails com as suas notícias, ideias e vivências.
>>>
>>> De uma maneira geral estão satisfeitos com o seu estado civil, e, quando
> não estão, procuram mudá-lo. Raramente se desfazem em prantos sentimentais.
>>>
>>> Ao contrário dos jovens, os sexalescentes conhecem e pesam todos os
> riscos.
>>>
>>> Ninguém se põe a chorar quando perde: apenas reflete, toma nota e parte
> para outra...
>>>
>>> Os homens não invejam a aparência das jovens estrelas do desporto, ou
> dos que ostentam um traje Armani, nem as mulheres sonham em ter as formas
> perfeitas de uma modelo.
>>>
>>> Em vez disso, conhecem a importância de um olhar cúmplice, uma frase
> inteligente ou um sorriso iluminado pela experiência.
>>>
>>> Hoje, as pessoas na idade dos sessenta/setenta, estão estreando uma
> idade que não tem nome. Antes seriam velhos e agora já não o são.
>>>
>>> Hoje estão com boa saúde física e mental; recordam a juventude mas sem
> nostalgias parvas, porque a juventude, ela própria também está cheia de
> nostalgias e de problemas.
>>>
>>> Celebram o sol a cada manhã e sorriem para si próprios. Talvez por
> alguma razão secreta, que só sabem e saberão os que chegarem aos 60/70 no
> século XXI"
>>>
>>> *Artigo de*
>>>
>>> *Miriam Goldenberg*

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 6Exibido 14 vezesFale com o autor