Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
100 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55051 )
Cartas ( 21061)
Contos (12130)
Cordel (9564)
Crônicas (21226)
Discursos (3108)
Ensaios - (9913)
Erótico (13135)
Frases (39979)
Humor (17551)
Infantil (3562)
Infanto Juvenil (2309)
Letras de Música (5414)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135726)
Redação (2875)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2374)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4205)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Criança -- 10/10/2017 - 12:10 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Criança


Criando um ser que brinca pelas palhas de cana, desce ladeira no chão de barro e brinca de esconde-esconde na antiga moradia dos avós. Vários quartos enormes com pé direito elevado, típico dos grandes casarões. Portas em paredes com largura a lembrar casas de engenho, piso ainda de tijolo antigo, cozinha grande e abandonada contando com a presença de uma máquina de moer cana pra alegria da criançada. Cheiro de cana queimando, anunciando a colheita trás à tona lembranças vívidas apenas pelo contato físico do local. Rua de barro, carro de boi... tudo tão primário que lembra uma incubadora que mantém viva a memória do passado. Ser o futuro sem nele estar, ser o passado sem tê-lo vivido e ser o presente que a ambos acolhe. Ser nos três tempos, estando apenas em um na presença física quando a vontade seria de estar lá no passado, onde tudo começou e ainda havia um sonho. É medonho tanta lembrança sem saber o que fazer com ela, a amargar o sabor do presente da menina que debruça na janela que estreita seus horizontes nos aondes que possam ser sondados. A palha ainda queima e a fuligem corre pelas casas fazendo o passado cinza ser, o presente ser visitado e o futuro almejado no brilho do olhar daquela menina que ainda vive na caverna incubadora da história sem memória.
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui