Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
93 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55241 )
Cartas ( 21066)
Contos (12158)
Cordel (9594)
Crônicas (21296)
Discursos (3111)
Ensaios - (9914)
Erótico (13140)
Frases (40133)
Humor (17566)
Infantil (3567)
Infanto Juvenil (2310)
Letras de Música (5416)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135869)
Redação (2879)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4226)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->O casarão das primas das canelas raspadas -- 07/11/2017 - 07:53 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
O Casarão das Primas das Canelas Raspadas

Em busca da sobrevivência devido a uma difícil vida, foi fundado o Casarão das primas que, visava o acolhimento das demais que raspavam as canelas para buscar a burguesia que fede. À época, a pureza era representada pelas canelas raspadas. A burguesia que fede, não gosta de banho tomar mas compra perfume. Entretanto, nem tudo que fede é burguês, pois pobreza às vezes revela mais limpeza que muita burguesia a feder.
Antes, haviam os famosos cabarés, hoje substituídos pelas redes sociais das assoberbadas ricas com seus perfumes às viúvas do porvir... as Madalenas... O pai de Santa Barbara queria que ela desse a um Militar mas a Santa Sé apaixonou por Cristo e na fé teve sua cabeça decepada pelo dela pai. Ela era monoteísta na fé dela de Jesus, mas o pai era prefeito e politeísta e queria negociar o útero da filha para a satisfação política dele. Já a filha, queria um padre dela para chegar a Jesus Cristo, criando assim a famosa figura: “ rapariga de Padre” que hora da sacristia os Eunuco balançavam o sino do padre. No Belém dos orifícios ouvidos da fé Eunuco a cada badalada no som do redondo sino.
O preto das viúvas excitavam os sacerdotes e na sacristia o gozo da fé com a hóstia na língua que abria a morada para o prega dor delas: as santinhas.
O Casarão das Primas de canelas raspada ficara parede, parede com os Mosteiros. O ofertório na cantoria do prazer das primas no cálice e no jogo do bozó nas horas de folga na manipulação das santas mãos as noviças ímpar e os Padres Pá nelas.
Eram bem alimentadas com leite, mandioca e ovos. À noite, elas tinham um forno à madeira e os padres colocavam as calangas no forno delas para fornear biscoitos palitos com gosto de amoníaco. Era tudo dilatado pois abaixo das roupas tá livre e soltos. A cada oração uma mijada no terraço para agoar as plantações. A Madre tinha uma padaria na fabricação de bolo de rolo e bolacha pão para alimentar as noviças. Os mais ousados frades cantavam: “Café com pão, bolacha não!” Na Maria fumaça da cozinha. O nome da Rosa era a cozinheira filha de um pagão do povoado. Muitos nasciam e ficavam no porão para ser escravo do mosteiro do senhor. Gerações da casa Irene... Primeiro Fé deu a Deus Dará segundo a Casa de Irene nos neons das metrópoles
Terceiro O casarão das Primas das Canelas Raspadas na ditadura científica que são as redes sociais das santas do ocu pau.
Ditadura da igreja católica e Império
Ditadura Militar, ditadura científica
e a macacada na macacada usando a região gluteas a cada interação.
Mamãe não pode comungar porque não é casada na igreja, aí seu Padre quero comer hóstia também. As hóstias não eram para todos. Só para as Santas. Santas burguesas. Pelas portas estreitas entravam todas as mundiças, enquanto nas portas largas, a burguesia. No primeiro andar, só ricos e nobres. Na sala, o povo.
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui