Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
89 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55241 )
Cartas ( 21066)
Contos (12158)
Cordel (9594)
Crônicas (21296)
Discursos (3111)
Ensaios - (9914)
Erótico (13140)
Frases (40133)
Humor (17566)
Infantil (3567)
Infanto Juvenil (2310)
Letras de Música (5416)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135869)
Redação (2879)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4226)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Críticas e Sugestões -- 07/11/2017 - 19:20 (Luciana do Rocio Mallon) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Críticas e Sugestões
Ultimamente tenho recebido as seguintes críticas e sugestões:
“- Você deveria entrar em contato com o governo para ganhar um espaço onde pudesse contar suas lendas e fazer suas performances gratuitas.”
“- Sua pessoa deveria se esforçar mais para conseguir ajuda das autoridades governamentais.”
“- “Fulana” é antipática, mas conseguiu um espaço público inteiro para mostrar o seu talento. Já você tem carisma, porém é incompetente por não ter obtido o mesmo. Sem falar que “Fulana” está conseguindo projeção na mídia maior que você.”
Diante de tantas críticas, tenho o seguinte a dizer:
Pesquiso lendas e faço repentes poéticos desde os seis anos de idade. Nunca fiz isto com a pretensão de ficar famosa muito menos de ganhar dinheiro fácil. O meu talento sempre tendeu mais para o comércio informal.
Pesquisar causos e brincar com Poesia sempre foram passatempos para mim. Porém com o tempo descobri que, com esta diversão, eu conseguia ajudar as outras criaturas.
O meu livro, intitulado Lendas Curitibanas, foi publicado gratuitamente pela editora chamada Instituto Memória. Se não fosse esta editora o meu livro físico não existiria.
Em 2006, procurei aulas de balé, depois de adulta, porque tenho problemas de coordenação motora. Então uma fisioterapeuta falou que se eu fizesse aulas de Dança Cigana, ou, Dança Flamenca minha saúde neste sentido melhoraria. Deste jeito passei a fazer este tipo de atividade.
Por volta de 2013, instituições de caridade passaram a me convidar para apresentações voluntárias, onde eu misturo contação de histórias, repentes e danças. Desta maneira notei que podia fazer as pessoas mais felizes.
Eu nunca tive a intenção de fazer este serviço em troca de dinheiro.
Pedi um espaço para as autoridades governamentais para realizar este tipo de trabalho voluntário. Infelizmente, não consegui um espaço, exclusivamente, meu. Sem falar que tenho transtornos com a questão tempo porque preciso cuidar da minha mãe doente.
Se “Fulana” ganha dinheiro do governo para trabalhar com lendas, parabéns para ela. Porém não tive a mesma sorte. Isto não significa que eu seja incompetente, ou, preguiçosa. Apenas mostra que eu não tive a mesma oportunidade. Porém a vida tem destas coisas. É como falam os antigos: “cada um tem os seus sapatos, para andar pelo caminho, e cada um sabe onde o calo aperta.” Há esta outra frase também:
“ Se você acha que a vida será justa com você só porque você é uma boa pessoa é como pensar que um touro não irá atacar seu corpo só porque este bicho é vegetariano.”
Cada artista é único e tem uma história de vida singular. Por isto é falta de noção comparar um palestrante com outro.
Quando o ser humano passar a perceber que uma obra completa a outra em vez de competir, teremos um país onde a verdadeira Arte será valorizada.
Luciana do Rocio Mallon






Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui