Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
33 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56598 )
Cartas ( 21157)
Contos (12595)
Cordel (9988)
Crônicas (22114)
Discursos (3130)
Ensaios - (8904)
Erótico (13337)
Frases (43018)
Humor (18286)
Infantil (3717)
Infanto Juvenil (2553)
Letras de Música (5461)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137839)
Redação (2909)
Roteiro de Filme ou Novela (1054)
Teses / Monologos (2386)
Textos Jurídicos (1921)
Textos Religiosos/Sermões (4641)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Peregrinação a São João da Fraga -- 10/12/2017 - 11:31 (Lita Moniz) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos



Por Luis Borges.







Peregrinação a S. João da Fraga_Pitões das Júnias_Serra do Gerês



Os moradores de Pitões das Júnias cumprem todos os anos uma tradição religiosa cuja origem se desconhece: Sobem ao alto de uma serra com mais de mil metros de altitude e numa pequena capela que ninguém sabe por que e por quem foi construída e rezam em honra de São João da Fraga. No regresso, comem a merenda, deixada na ida num carvalhal.



Esqueça os saltos altos e a melhor fatiota. Na festa de São João da Fraga, em Pitões das Júnias, no concelho de Montalegre, o que se usa mesmo, ou se recomenda, são as botas de montanha e uma vara de apoio. A capela do santo, fica a mais de uma hora de distância da aldeia. E o caminho até lá tem tanto de belo como de íngreme. Mesmo assim, no passado domingo, foram muitos os que venceram o sacrifício, ficando, assim, e, literalmente, “mais perto do céu”, diria ,mais tarde, o pároco da freguesia na hora da missa.



Pelo caminho, as conversas dos vários grupos, faziam-se ao ritmo da inclinação do terreno. Nas subidas mais acentuadas, o que se ouvia mesmo era a respiração ofegante.



“Enquanto há pernas, não há cabeça, quando vem a cabeça já não há pernas!”, desabafava para o colega do lado uma mulher de Pitões, lamentando os esforços a que submetera as pernas, que agora lhe começam a faltar.



Outro grupo rezava o terço. “É para que São João nos ajude durante todo o ano”, explicava uma das mulheres.



Já no topo, a mais de mil metros de altura, cada um ajeitava-se como podia pelas fragas que rodeiam a pequena capela, que ninguém sabe explicar quem e por que a mandou construir. “Pelo menos, 140 anos tem! O meu tio morreu com 90 anos há mais de cinco décadas e dizia que sempre se lembrava da capela”, respondia José Pereira, de Pitões, à curiosidade do vereador da cultura da Câmara de Montalegre.



Rezada a missa e feita a procissão à volta da capela com o São João da Fraga, aos romeiros espera-os o caminho de regresso à aldeia. No entanto, mais ou menos a meio, há uma paragem. Num carvalhal, onde à ida foram já deixados os farnéis, juntam-se merendas e convive-se. Para os desprevenidos, a associação cultural local partilha a carne que assa na brasa. O baile, ao toque de concertina e dos gaiteiros locais, animam o resto da tarde. À noite, a festa continua, mas na aldeia.







De tudo que aqui se diz as falas daquela senhora a quem as pernas já começam a falhar são o que no momento merece mais reflexão. Chega de esperar que a velhice traga mais sabedoria, há que nos adiantarmos a isto, e achar através da cultura, do progresso uma sabedoria que chegue antes para evitar muitos sofrimentos. Somos produto das nossas escolhas, então que chegue alguém, alguma sabedoria que mude o rumo desta história, velha, desgastada.



Lita Moniz



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 6Exibido 110 vezesFale com o autor