Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
67 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56411 )
Cartas ( 21156)
Contos (12572)
Cordel (9941)
Crônicas (22079)
Discursos (3130)
Ensaios - (9116)
Erótico (13328)
Frases (42854)
Humor (18217)
Infantil (3699)
Infanto Juvenil (2512)
Letras de Música (5461)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137703)
Redação (2905)
Roteiro de Filme ou Novela (1051)
Teses / Monologos (2384)
Textos Jurídicos (1918)
Textos Religiosos/Sermões (4608)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->GRANDES PENSAMENTOS(53) -- 13/10/2006 - 14:18 (Edmar Guedes Corrêa****) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
GRANDES PENSAMENTOS(53)


SUBJETIVIDADE DO AMOR-PRÓPRIO



Um mendigo dos arredores de Madrid esmolava nobremente. Disse-lhe um transeunte:

- O senhor não tem vergonha de se dedicar a algo tão infame, quando podia trabalhar?

- Senhor, - respondeu o pedinte - estou-lhe a pedir dinheiro e não conselhos. - E com toda a dignidade castelhana virou-lhe as costas.

Era um mendigo soberbo. Um nada lhe feria a vaidade. Pedia esmola por amor de si mesmo, e por amor de si mesmo não suportava reprimendas.

Viajando pela Índia, topou um missionário com um faquir carregado de cadeias, nu como um macaco, deitado sobre o ventre e deixando-se chicotear em resgate dos pecados de seus patrícios hindus, que lhe davam algumas moedas do país.

- Que renúncia de si próprio! - dizia um dos espectadores.

- Renúncia de mim próprio? - retorquiu o faquir. - Ficai sabendo que não me deixo açoitar neste mundo senão para vos retribuir no outro, quando fordes cavalo e eu cavaleiro.

Tiveram plena razão os que disseram ser o amor de nós mesmos a base de todos as nossas ações - na Índia, na Espanha como em toda a terra habitável. Supérfluo é provar aos homens que têm rosto. Supérfluo também seria demonstrar-lhes possuírem amor próprio. O amor-próprio é o instrumento da nossa conservação. Assemelha-se ao instrumento da perpetuação da espécie. Necessitamos dele. É-nos caro. Deleita-nos - E cumpre ocultá-lo.



(Voltaire, em “Dicionário Filosófico”)





LEIA TODOS OS TEXTOS DA SÉRIE "GRANDES PENSAMENTOS"

(01) (02) (03) (04) (05) (06) (07) (08) (09) (10) (11) (12) (13) (14) (15) (16) (17) (18) (19) (20) (21) (22) (23) (24) (25) (26) (27) (28) (29) (30) (31) (32) (33) (34) (35) (36) (37) (38) (39) (40) (41) (42) (43) (44) (45) (46) (47) (48) (49) (50) (51) (52)



Ajude o autor, avaliando seus textos. Cliquei abaixo e dê sua nota! Não vai te custar nada.


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui