Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
125 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56713 )
Cartas ( 21128)
Contos (12517)
Cordel (9864)
Crônicas (21893)
Discursos (3121)
Ensaios - (10000)
Erótico (13200)
Frases (41707)
Humor (17749)
Infantil (3605)
Infanto Juvenil (2334)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (137072)
Redação (2886)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4520)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Sobre o Cão Que Foi Morto Por um Funcionário de Mercado(Corr -- 03/12/2018 - 16:28 (Luciana do Rocio Mallon) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Sobre o Cão Que Foi Morto Por um Funcionário de Mercado
Lamento a morte de um cachorro que foi assassinado pelo funcionário de um mercado, em Osasco, nos últimos dias.
Trabalhei por anos no comércio de Curitiba e alguns animais já entraram nos estabelecimentos onde eu executava minhas atividades profissionais. Porém nunca usei de violência para espantar estes bichos. Ao contrário, acolhi estes novos amigos.
Num dia de primavera, um cachorro de rua entrou na loja e a dona pediu que eu fosse retirá-lo. Assim peguei um pedaço de almondega, que era do meu almoço, e ofereci ao cão atraindo o animal para o lado de fora. Resultado: o bicho passou a esperar, pelo lanche que eu oferecia, na parte exterior e nunca mais entrou no estabelecimento. Depois a proprietária da loja descobriu que o cachorro pertencia ao antigo dono do imóvel que era idoso e faleceu. Á noite, o bicho passou a dormir em frente à loja, evitando vândalismos e arrombamentos.
Num dia de inverno, num outro estabelecimento, a gerente viu um gato fazendo pipi no canto direito interno da loja. Após esta cena, limpei o local e coloquei uma caixinha de areia com um pratinho de ração. Na manhã seguinte, ele urinou na caixa e comeu o alimento. Uma vez, uma senhora colocou peças íntimas, da cesta, dentro das próprias calças. Naquele mesmo instante o gato, que estava na loja, miou para mim. Mas eu que percebi o fato antes, falei à idosa:
- A senhora colocou o produto num lugar impróprio...
- Gostaria de uma cestinha?
Assim a anciã devolveu as calcinhas para o estabelecimento.
Os animais, que chegam espontaneamente, a um comércio protegem e ajudam no seu progresso. Por isto, não merecem ser maltratados. Inclusive, há estudos místicos sérios sobre isto. Maltratar animais além de crime traz azar e energias negativas a qualquer local. Nenhum bicho escolhe seu posto por acaso, todo o animal vai aos locais onde ele tem uma missão a cumprir.
Luciana do Rocio Mallon









Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui