Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
41 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56735 )
Cartas ( 21160)
Contos (12583)
Cordel (10005)
Crônicas (22135)
Discursos (3131)
Ensaios - (8937)
Erótico (13379)
Frases (43213)
Humor (18338)
Infantil (3739)
Infanto Juvenil (2600)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137959)
Redação (2915)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2387)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4728)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Colônia -- 10/08/2019 - 06:11 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Colônia 


Desde sempre sou colonizador, embora tenha muitas nacionalidades em meu sangue que pulsa e abusa dos espaços meus não meus. Fui índio e, ao interagir com o branco, mudei minha identidade e, português ganhei a certidão de nascimento. Virei mameluco nas loucuras e volúpias, adentrei pela mata na ousadia bandeirante. Ganhei diversos trajes,   obrigam-me a ser poliglota e fiz minha glote alterar a voz. Aprendi português, francês, italiano, e hoje, falo inglês. Tive diversos “padrinhos” que tiraram minha genuína nacionalidade. Agora, tenho me imbecilizado e de tudo esqueci. Não precisa tantas línguas aprender já que sou vaso sanitário e recebo tantos despojos fecais. Hablo, speak, só preciso shit pronunciar e tirar fôlego pra merda não respirar. Sou colônia abusada, desmoralizada e submissa. Meus descendentes acham legal e levantam a bandeira crente na crença do reto pensar que abafam. Café, almoço e jantar temperados de pensamentos hostis ao povo primitivo, dono desta terra. Meu sangue era da seringueira e levaram, minha Madeira era pau-brasil, minha terra era indígena, meu grito de liberdade veio da senzala. Meus irmãos escravizadas vinham amarrados por correntes, e com serpentes tiveram que lutar. Abri mão de minha identidade e outras culturas, absorvi ante as volúpias nos quartos de senhores de engenho e disso não me envergonho. Nasci rejeitado pelo sangue mas ousei e resisto à condição de colônia ser. Mas, sou. Minhas fezes agora são restritas por dias alternados, e agora José? Quem vem lá?



Marcos Alexandre Martins Palmeira

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui