Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
81 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55220 )
Cartas ( 21066)
Contos (12156)
Cordel (9589)
Crônicas (21293)
Discursos (3112)
Ensaios - (9914)
Erótico (13140)
Frases (40122)
Humor (17564)
Infantil (3566)
Infanto Juvenil (2310)
Letras de Música (5416)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135847)
Redação (2879)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4226)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Letras_de_Música-->Infectado -- 10/11/2001 - 06:03 (Poeta Maldito) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Como que de um raio surge um trovão.
Tuas lágrimas caem no chão.
E fica só o pedido de perdão.
Em vão.
Enquanto os outros não dizem não
Eu também não, mas peço que me ouçam.

Eu já ouvi em sonhos Utopias sem valor.
Eu as vi em redemoinhos
Tratando do seu pudor.
Algo, eu já senti,
Quer nos modelar como máquinas.
Eu vou ao meu espaço
Mas não o possuo.
É virtual.
São bilhões em desespero
Tentando o mesmo apego.
“ Time is money ”.
Mas não sinto desejo.
Ou só o sinto.
É tudo mortal como nunca foi.
Mas ainda se lembra de chorar.
Consegue a decência de uma emoção.
E o pranto te liberta.
Com ele sai alegrias e tristezas.
Mas logo volta o espasmo
De sua vida sem razão.
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui