Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
71 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55322 )
Cartas ( 21071)
Contos (12178)
Cordel (9606)
Crônicas (21333)
Discursos (3113)
Ensaios - (9920)
Erótico (13145)
Frases (40229)
Humor (17570)
Infantil (3576)
Infanto Juvenil (2310)
Letras de Música (5419)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135945)
Redação (2881)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4238)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->A família da minha ex-namorada -- 22/08/2003 - 09:49 (Leonardo Koury Martins) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
A família da minha ex-namorada

Quando eu conheci a família da minha primeira namorada foi algo de muito estranho, porque o medo de conhecê-los era maior do que o medo que eu tive de receber um não dela antes do nosso namoro.
E durou muito o nosso namoro escondido, parece que foi uma geração, afinal sete meses do lado de alguém que se via todo dia útil é muita coisa.
Tem casamento que não dura isso! Eu gostava tanto dela que até mesmo nas brigas eu queria insistentemente ser o culpado para parar com a briga, pois eu morria de vontade de estar aos braços dela e de sentir aquela boca na minha.
Sempre foi assim, eu não resistia àqueles olhos tão lindos, mas como tudo que é escondido acaba eu fui conhecer a família dessa minha namorada.
Eu já conhecia a mãe dela, qual fez a maior pressão para que eu fosse visitá-la, conhecia os irmãos, mas o maior problema era o pai dela, que diziam ser um homem muito sério e rígido e com o tempo eu vi que não era bem assim.
Enfim, quando eu cheguei lá para conversar com ele (detalhe: ele não sabia quem era e nem mesmo o assunto, foi de supressa), e confesso que no dia eu nem estava preparado, mas ao falar com ele, uma conversa de uns dez minutos aproximadamente. Graças a Deus tudo ocorreu bem e ai nós passamos a poder contar com o consentimento do meu enérgico sogro.
Passado algum tempo de namoro, eu viu conhecendo realmente como cada um era e assim fui me tornando mais intimo da família e compreendendo o universo de cada um, conquistando a confiança de cada um.
E como diz a velha canção, “que o para sempre, sempre acaba”, acabou o nosso namoro, mas logicamente eu fiquei muito feliz de conhecer a família dela e sempre estarei para ajudá-los em qualquer circunstância.





Leonardo Koury Martins

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui