Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
31 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56739 )
Cartas ( 21160)
Contos (12583)
Cordel (10005)
Crônicas (22136)
Discursos (3131)
Ensaios - (8937)
Erótico (13379)
Frases (43216)
Humor (18340)
Infantil (3739)
Infanto Juvenil (2600)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137961)
Redação (2915)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2387)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4729)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->SEDUÇÃO -- 01/05/2004 - 23:19 (João Ferreira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos




SEDUÇÃO



Jan Muá

22 de abril de 2004







Estamos sós

Eu e ela

Nos olhando intimamente

Num espaço



Seu corpo é o brilho

De um objeto de desejo

E o labirinto que uma fêmea divina

Ostenta quando mostra sua força total



Insinuante

Torna-se real e verdadeira

Fazendo-me cativo de sua tenda

Levando-me à busca

Do tesouro que é exclusivamente seu



Levanta-se nela uma voz imperial

Na imagem do corpo em tela exposto

E o implacável gesto

De quem decidiu seduzir meus olhos



Essencialmente jovem

É toda corpórea e sensual

De energia dominadora

Como um tornado que sacode

De surpresa as costas do Pacífico oceano



Seus cabelos pretos e longos

São uma teia aprisionante

Na fundura de seus olhos azuis

Há um brilho marinho

Que me fere como seta mortal

Disfarçado de cupido



Uma leve blusa de seda transparente

Cobre-lhe o tronco

Deixando-lhe os seios sedutores

aflorarem agressivos e redondos



Terna

Se aproxima de cabeça inclinada entre flores

Sensualmente frontal

expondo todo o corpo

Com púbis e coxas em grande estilo



Torna-se imponente a presença do majestoso horto

E abafado pelo fogo sinto crescer em mim

O corpo de Adão

Subjugado à ciência da maçã divina



Miragem ou não

Mágicos olhos e terno sorriso

Me levam à árvore do bem

E ao púbis onde se abre

como dádiva

A flor do meu desejo



Ela me acolhe

E me atrai até à ara de seu altar

Integrando-me nos rituais do templo

Mostrando que é realmente divina!





Jan Muá

Sobradinho/Serra,

22 de abril de 2004

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 73Exibido 727 vezesFale com o autor