Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
52 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56824 )
Cartas ( 21161)
Contos (12584)
Cordel (10011)
Crônicas (22151)
Discursos (3132)
Ensaios - (8953)
Erótico (13387)
Frases (43341)
Humor (18382)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138023)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4765)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->CORPO FASHION -- 04/07/2004 - 21:37 (João Ferreira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos




CORPO FASHION



Jan Muá

4 de julho de 2004



Encontrava-me invisivelmente só

No aperto de um salão

Preparado para olhar o estilismo de beldades

Em desfile



No abrir das portas de meus olhos

Para a passarela fashion

Notava-se o ritmo de uma compassada grife

Que virou evento da cidade



Na miragem emocionada das formas em aparição

A retina foi captando

E fazendo nascer uma luz clamorosa

Que não cessava de esplender

E de revelar novas formas

Associadas às jovens que balançavam os quadris



No movimento ondulado das figuras desfilantes

Deu para notar um certo corpo feminino

Angelizado pelas mais geniais texturas

Que em sedução sincronizada

Passou a invadir meus nobres sentidos



Era como se um raio de sol

Tivesse atravessado as nuvens

E mostrasse em olímpicos trajes

Uma decantada estilização

Em suaves cores que lhe davam

Um movimento de noturno fascínio!



Era esplendoroso esse corpo jovem

E todo o ambiente foi seqüestrado por ele

Restando aos olhos observadores

Combinar todas as formas e cores nascentes

E deixar-se invadir pela provocação

Que extasiava e transportava

A figuração sensitiva aos olhos de muitos!



Seus cabelos entrançados e pendentes

Decorados com uma rosa-flor

Acompanhavam o balançante corpo

Divinizado por leve e esvoaçante vestido

Que lhe tocava roçagante a pele

E o revelava em formas abertas e sensuais

No império de uma beleza

Que caminhante dominava todo o pedaço...



Chegou aliciada cega e balançante

Imbuída de autoridade para escolher o príncipe

E ato-contínuo seguir viagem

Nos atalhos da passarela

De regresso aos aposentos do Amor!



Brasília

4 de julho de 2004



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 73Exibido 715 vezesFale com o autor