Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
105 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56828 )
Cartas ( 21161)
Contos (12584)
Cordel (10014)
Crônicas (22151)
Discursos (3133)
Ensaios - (8956)
Erótico (13388)
Frases (43353)
Humor (18383)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138027)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4770)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->NO HABITAT DA POESIA -- 20/10/2004 - 23:18 (João Ferreira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


NO HABITAT DA POESIA

Jan Juá

20 de setembro de 2004







Hoje todos os templos reservam seus rituais para as musas

E todas as musas agitadas pela festa apadrinham seus fiéis

E todos os fiéis se multiplicam ativos na espiritual vassalagem

A suas deusas inspiradoras do espírito da poesia

Todos se movimentam em direção à lunar inspiração

Sob a proteção do Universo que se comprime

Entre letras e retóricas precisas que são a matéria-prima do poema

Na penumbra dos astros há a prospecção das almas em vôo pelo universo

No cortejo das formas fundamentais seguem muitos andores

Que representam os poetas no esplendor das palavras adornadas

Diviso na cauda da notívaga lua a detonadora da metafórica inspiração

Sempre perita no adorno de todas as formas nobres da poesia

Nos grandes salões da palavra

Muitas e muitas formas suave e delicadamente reunidas

Agregam e executam programas e projetos

Onde sobram longitudinais formas de expressão

Em tropical e animada coreografia

Descansam períodos e agitam-se frases

E no ar indômito dos sentidos um novo jeito retórico

Vira forma fundamental da expressão dos mistérios de Calíope.

No retorno do Olimpo até às rampas brasílicas encontro vozes

Que me ditam intuições idéias e formas

Que carregam minhas alegrias,

E me mostram os signos do alfabeto

Onde navega o espírito aristocrático da poesia.



Jan Muá

20 de setembro de 2004

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 73Exibido 433 vezesFale com o autor