Usina de Letras
Usina de Letras
78 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60374 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22278)

Discursos (3194)

Ensaios - (9719)

Erótico (13520)

Frases (48268)

Humor (19559)

Infantil (4832)

Infanto Juvenil (4183)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139386)

Redação (3120)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5814)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cartas-->Carta para o Futuro -- 28/07/2022 - 18:05 (Marcelo de Oliveira Souza :Qualquer valor: pix: marceloescritor2@outlook.com) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

Salvador, 28 de julho de 2022

 

Saudações!

 

Meu nome é Marcelo de Oliveira Souza, sou escritor carioca radicado na Bahia, membro correspondente da Academia de Letras de Teófilo Otoni.

Adorei a proposta das “Cartas para o Futuro” cujos escritores possam colocar seus pensamentos.

Nos tempos de agora, todos nós estamos passando por um turbilhão de acontecimentos, onde a covid, varíola do macaco, a guerra na Ucrânia é palco de muitas agruras entre nós, também estamos prestes a termos a eleição,  que tem dois principais nomes que são Lula e Bolsonaro, só no seu tempo veremos se o vencedor ficou na História com um bom governo, que a gente precisa muito, qualquer um que ganhar terá o meu apoio, pois como brasileiro, temos que torcer para que o Brasil encontre seu caminho.

Também está sendo cogitada no mundo, a intervenção na Amazônia, sabendo-se que não existe preocupação nenhuma com a natureza, são meros interesses internacionais.

No âmbito pessoal, terminamos o XVIII Concurso Literário Poesias sem Fronteiras, gostaria muito de saber até onde irá, bem como a Exposição Permanente do Escritor Marcelo de Oliveira Souza, o meu sonho é divulgar para todos os cantos que possam envergar uma placa com o nosso trabalho poético, tem até um na própria academia.

Entre tantos títulos, tem uma placa que fala da PAZ, onde ninguém aguenta mais tanta violência, a gente é vitima potencial de assalto em todos os cantos possíveis, virtuais ou físicos, um problema que eu penso que nem daqui a vinte anos irá resolver no nosso país.

Irei finalizar com esse poema, vamos ver até onde a gente aguenta.

Se você leu esse texto, ou quer saber mais sobre meus trabalhos ou até a exposição permanente, entre no meu blog http://marceloescritor2.blogspot.com, pode ser que eu  nem esteja mais caminhando sobre a Terra, ou já seja bem idoso, ficarei muito feliz em saber sobre você, mandando uma mensagem para marceloosouzasom@hoitmail.com.

Se não tiver como ver os  e-mails.

Pesquisem sobre meu nome que certamente em algum lugar encontrarás um trabalho e algum contato.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Não aguentamos mais!

 



Não aguento mais! 
Tiro na esquina 
Ferindo o rapaz, 
A noite se ilumina 
O clarão da chacina 
Morre uma menina 
Chuva e choro 
De dia... 
À noite tudo se repete 
Nada mais prevalece 
A bala come o rosto, 
Rosto sofrido de dor 
Caído na vala, no esgoto 
Muita dor e agonia... 

Ninguém sabe ninguém viu 
O estouro da bomba deflagrada, 
Num flagrante da rapaziada 
Não tem festa, não tem nada 
O couro come na madrugada 
Choro, morte e mais nada... 
E mais um corpo despejado 
No quintal da estrada. 

Não aguento mais 
Drama, grito e desespero 
Tudo pelo dinheiro 
O povo precisa de PAZ 
No cemitério o povo Jaz... 
Sofrimento, ferida, rapaz 
Não aguento mais 
Não aguentamos  mais! 

 

 

Marcelo de Oliveira Souza,IwA

Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui