Usina de Letras
Usina de Letras
72 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60351 )

Cartas ( 21289)

Contos (13386)

Cordel (10358)

Cronicas (22276)

Discursos (3193)

Ensaios - (9713)

Erótico (13520)

Frases (48234)

Humor (19546)

Infantil (4825)

Infanto Juvenil (4173)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139342)

Redação (3116)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2437)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5809)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->EXÉQUIAS DO CORONEL JOÃO BATISTA GENEROSO DI MONTESCALMOS. -- 19/01/2022 - 19:52 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos



 



EXÉQUIAS DO CORONEL JOÃO BATISTA GENEROSO DI MONTESCALMOS



(Extraída do livro: “Estrela que o vento soprou”cap.20.Pg 111)



A família de Batista Generoso sofreu com a passagem de seu ente querido, deste, para o outro lado da vida. Também sentiu o padre, dilacerado o coração.  Generoso era seu grande amigo.



A celebração das exéquias, deu-se na sede da fazenda Campo Grande. Não necessariamente, no alpendre, acompanhada por moda de viola, como talvez fosse este o último desejo de Generoso, mas na ampla sala, diante da mesa que, tantas vezes oferecera farto alimento, não só aos de casa, como também aos de fora.  Ali agora, a alma do fazendeiro, recebia, pelas mãos do sacerdote, o pão espiritual, ingresso de entrada no Paraíso Celeste.



Monsenhor Hosana persignou-se.



Todos repetiram seu gesto, e também traçaram o Sinal da Cruz.



O Homem de Deus abriu o Ritual de Exéquias, marcados com fitas, de diferentes cores, os textos que seriam focalizados na celebração.



Com a voz embargada, disse:



“Estamos vivendo os momentos derradeiros da presença física de João Batista Generoso di Montescalmos entre nós. Diante desta realidade, encontramo-nos reunidos, não para chorar a morte, mas para celebrar a vida.”



Fez uma pausa para controlar a emoção e prosseguiu.



Nesta frágil existência humana, a Santa Madre Igreja, eleva orações de súplica ao Criador, em favor dos batizados, e faz lembrar que o adeus ao defunto, é sua entrega a Deus.



Aspergiu água benta no corpo sem vida do amigo, depositado numa urna de madeira sobre quatro suportes de prata.



As mulheres cantaram uma Excelência atrás da outra, até se esgotar o repertório de Bendito dos Defuntos, abrindo espaço, à fala do padre.



“Graças à misericórdia de nosso bom Deus, as almas antes manchadas pelo pecado, vão tomando brancura. E aquele anjo de voz gargalhada, que não dobra os joelhos nem chora, envergonhado, por nada lograr com suas acusações, desaparece em torvelinho de fumaça.”



Virando-se para a viúva, disse, finalmente, o celebrante: 



“Os justos não morrem, apenas ficam invisíveis aos nossos olhos. Este corpo inerte que temos diante de nós, é só o casulo que guardou a humana alma do Batista Generoso; sempre apartada da corrupção, seja ela agora glorificada na eternidade e na comunhão dos santos.”



Aspergiu água benta mais uma vez sobre o caixão e retirou-se.



Adalberto Lima


Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 1Exibido 249 vezesFale com o autor