Usina de Letras
Usina de Letras
59 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60374 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22278)

Discursos (3194)

Ensaios - (9719)

Erótico (13520)

Frases (48268)

Humor (19559)

Infantil (4832)

Infanto Juvenil (4183)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139383)

Redação (3120)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5813)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->O SEGREDO DE ARMANDINHO -- 13/03/2022 - 10:43 (Roosevelt Vieira Leite) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

O SEGREDO DE ARMANDINHO

 

Armandinho morava em Aracaju no bairro Siqueira Campos. Por toda a sua vida ele morou lá. Sua mãe lhe deu uma educação muito rígida. Segundo ela, era a educação cristã que formava o homem de bem. Armandinho não saía de casa e não tinha amigos. Quando moço, sua rotina era de casa para a escola e da escola para casa. Sua mãe lhe dava todo o carinho do mundo. Seu pai, com certa frequência, comentava que ela estava mimando o rapaz: “Este menino não faz nada. Você dá tudo nas mãos”.

Quando criança Armandinho tomava banho com sua mãe. A banheira fora comprada para este fim. Armandinho ficou nesta vida até os cinco anos: “Mulher, que mal ,3

costume é esse. Este menino já está grande; não é mais criança não”. Margarida não ouvia seu marido e se consagrava ainda mais para seu filho único.

Um dia sua mãe fazia as pernas e Armandinho a observava da porta do banheiro. Sua mãe com as pernas nuas rapava os pelos. Por acidente ela se cortou. O rapaz viu o fio de sangue descer da perna de sua genitora. Armandinho procurou esquecer o que sentiu naquele dia. Ele sentiu o desejo de lamber as pernas de sua genitora. O rapaz passou um tempo se condenando por esse desejo. 

Na adolescência surgiu o primeiro conflito entre mãe e filho. Margarida o pegou a acariciar o membro. O rapaz estava tão entretido que nem viu quando sua genitora entrou em seu quarto: “Menino, que é isso?” “Não seja safado!” Margarida o colocou de castigo por uma semana.

Ainda na adolescência o rapaz não podia ter namoradas. Quando alguém da escola aparecia em sua casa, sua mãe expulsava aos berros chamando as moças de devassas: “Não me apareçam aqui suas devassas!” “Deixem Armandinho em paz!” Armandinho se tornou um homem calado e tímido. Formou-se em contabilidade, e em seguida foi trabalhar em um escritório na Rua Lagarto. O rapaz era um bom contador. Fazia seu trabalho com competência. Seu patrão agradecido por seus serviços lhe deu uma moto: “Armando, aqui é para você por seus préstimos aqui na empresa”. Armandinho agradeceu o presente e continuou sua rotina. Todos os dias o rapaz fazia o mesmo ritual. Acordava cedo, fazia a barba, tomava café e ia para o escritório.

Por muito tempo o rapaz sonhou com sua mãe no banho: “Mas por que eu só sonho com isso”. Dizia o moço para si mesmo. Apesar de ser uma pessoa quieta, o rapaz branco, alto, de feições finas e porte atlético tinha algumas manias. Armandinho gostava de seguir mulheres na rua. Quando ele via alguém interessante. Ele caminhava atrás da pessoa a lhe cobiçar suas formas a uma certa distância. Isso o deixava alterado. Quando em casa ele reprisava tudo e se satisfazia. Esta era sua mania e seu segredo. Um dia uma moça percebeu e resolveu abordá-lo: “Você está querendo alguma coisa?” Armandinho com o rosto vermelho negou com voz gaguejante e disse ter sido uma coincidência: “Não moça, estou indo para a Huteba”. A moça não desconfiou de nada e por acréscimo externou interesse por ele. Mas nunca dava certo. Armandinho não sabia lidar com as mulheres.

Armandinho comprou um telescópio para ver a lua. Um de seus sonhos era ser astrônomo. Mas nunca estudou sério. Lia algumas coisas e assistia vídeos na internet. Uma noite de céu estrelado Armandinho decide ver Saturno. O rapaz foi para o quintal de sua casa e apontou o telescópio para o céu. Contudo, em vez de Saturno ele encontrou foi a janela do apartamento de Sophia. Esta era uma morena que morava no prédio a duas quadras de sua casa. Era o sétimo andar. Sophia estava na sala a fumar um cigarro na janela. Armando viu a moça pelas lentes do telescópio. Viu sua face; sua beleza e ternura nos olhos. Algo muito estranho tomou Armando. Como o povo diz foi paixão no primeiro olhar. Daquele dia em diante ele passou a observa-la pelo telescópio. Armando estava de férias, então o rapaz dedicou o seu tempo a seguir a moça. Ele passou a acompanha-la pela cidade. Ao chegar a sua casa ele reprisava tudo e guardava para si os melhores momentos. Ele agora conhecia a rotina da moça. A academia, a faculdade, os amigos.

As férias acabaram. Armando voltou ao trabalho. Para sua surpresa a moça da janela era a nova contadora do escritório. Armandinho ficou nervoso e evitava olhar de frente a sua nova colega de trabalho. Mas logo os dois se tornaram bons amigos apesar da timidez do rapaz. Como os dois moravam no mesmo bairro, armando trazia Sophia de moto todos os dias. Com isso a amizade cresceu e Armando passou a ter sua primeira namorada.

Armandinho e Sophia se entenderam bem. No trabalho os comentários sobre o casal eram os melhores possíveis. Os dois chegavam e saíam juntos e tudo faziam em comum acordo. O escritório de seu Monteiro cresceu mais ainda. Os clientes o procuravam para fazer de tudo e Armando e Sophia eram os especialistas. Os pais de Sophia se animaram e deram um carro para a filha: “Minha filha este rapaz é de ouro. Quero ver quando será o casamento”. Sophia contava tudo para a mãe exceto sobre sua vida sexual. Os dois ainda não tinha feito sexo satisfatoriamente mesmo com um ano de namoro. A moça acreditava que era timidez de Armandinho e pretendia fazer uma surpresa para ele no final de semana. Armando amava Sophia, mas, não conseguia ter uma vida sexual com ela. Sempre que pensava na ideia se lembrava das coisas que sua mãe dizia. Na hora H Armando falhava. Isso foi muito desconcertante para um homem na flor da idade.

Sophia e Armando combinaram jantar na casa dele. Quando os dois chegassem da academia iriam jantar a luz de velas. Aquele sábado prometia muito. Sophia estava cheia de esperança de dar certo aquela noite. Os dois jantaram. Depois foram olhar um pouco no telescópio. E por volta das dez a intimidade começou. Sophia foi devagar. Fez dança do ventre. E depois foram para cama. Mas, infelizmente, o rapaz não se animou e os dois foram dormir para tristeza da moça.

De manhã os dois acordaram com preguiça. Sophia foi ao banheiro primeiro. A menina fazia as pernas quando Armandinho entrou no banheiro. Sophia se assustou com a surpresa e cortou a perna com a lâmina. O filete de sangue vermelho escorreu perna branca. Quando o rapaz viu o sangue correu para socorrer sua amada. Armandinho começou a beija a perna ferida. Lambia o sangue como se fosse um vampiro e a moça gostou dos carinhos. Os dois fizeram amor ali mesmo. Sophia ficou muito contente e Armandinho também.

As noites foram muitas em que os dois fizeram sexo de todas as formas. Armandinho e Sophia estavam realmente felizes. Finalmente, os dois se entenderam na cama. Contudo o custo para Sophia foi muito alto. A moça perdia muito sangue. Sophia adoeceu. A moça estava anêmica; e em virtude dessa anemia que não se curava nunca ela faleceu. Armando chorou muito a morte de seu amor...

   

Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 5Exibido 202 vezesFale com o autor