Usina de Letras
Usina de Letras
67 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60374 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22278)

Discursos (3194)

Ensaios - (9719)

Erótico (13520)

Frases (48268)

Humor (19559)

Infantil (4832)

Infanto Juvenil (4183)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139383)

Redação (3120)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5813)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->O SONHO DE UM MENINO -- 10/07/2022 - 13:09 (Renato Souza Ferraz) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

SONHO DE MENINO

Renato Ferraz

 

O menino teve um sonho

Tipo de sonho que se sabe que é realidade

E quando acordado

Já teve a sensação de que aquilo era tão bom

Mas tão bom, que parecia que estava sonhando.

E se acordou.

Assustado, mas se acordou.

Tentou lembrar do sonho, mas nem fez muito esforço.

Um OVNI o havia captado

A realização de um medo.

Diferentemente de sonho, medo não se quer realizado

Mas quem disse que somos comandantes de nossa nave?

Bem, lá no sonho...

Antes que algo ocorresse

Antevia os atos daqueles seres superinteligentes

E dominadores

Pois é para isso que é inteligente.

Dominar. Dominar e ter poder.

Ou a inteligência serve pra quê?

Pois é, será que invadiriam a Terra para nos escravizar?

Tudo ali funcionava bem diferente

Primeiro era o tempo inteiro nublado

Não havia sol!

Dia e noite eram gêmeos univitelinos

A temperatura bem amena

Trânsito? Que nada!

Nem motoristas inconsequentes nem guardas oportunistas

O silêncio era incomum naquele local

E o som das atividades eram quase inaudíveis

Nem havia pessoas gritando em celulares nem exibindo sua vida particular.

Nudez? Uma pele de animal agasalhava o corpo.

O povo se alimentava pouco

Nem havia miséria ou fome

Logo, nada de exploração.

Por isso, doenças e outras maledicências form passear e desertaram.

Naquele lugar, o povo não dormia.

E a morte era o sonho de sono profundo.

As portas das casas estavam sempre abertas.

Ladrões, bandidos, violência, não havia entrado no dicionário

O menino ouviu alguém pronunciar a palavra céu e olhava para baixo...

Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 4Exibido 77 vezesFale com o autor