Usina de Letras
Usina de Letras
69 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60374 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22278)

Discursos (3194)

Ensaios - (9719)

Erótico (13520)

Frases (48268)

Humor (19559)

Infantil (4832)

Infanto Juvenil (4183)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139383)

Redação (3120)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5813)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Coberta d’alma -- 10/07/2022 - 16:05 (AROLDO A MEDEIROS) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

     Coberta d’alma

 

Aroldo Arão de Medeiros

 

     Quem está na chuva é para se molhar. Quem está na rua é para se mover, caminhar.

     Caminhava, na verdade estava de carro, quando me veio a ideia de escrever sobre algo que está se perdendo com o tempo. Antes, lembro que escrevi uma crônica sobre a festa da cumeeira. Essa prática também se perdeu com o tempo.

     Algumas culturas açorianas, graças a perseverança dos manezinhos continuam a todo pique. É o caso da renda de bilro, muito usual na Lagoa da Conceição na Ilha de Santa Catarina, perpetrada pelas bordadeiras. Também as gaiolas para carregar coleiras e curiós. Até curiódromo tem na ilha. Eu, particularmente, nunca mais vi a dança de pau de fita, embora folguedos de boi de mamão vez ou outra aparecem à minha frente.

     Voltando ao assunto principal, coberta d’alma, essa tradição açoriana está morrendo. Para que ela sobreviva, alguém tem que morrer. Explico: quando uma família era abalada pela óbito de um ente querido, havia o hábito de doar uma roupa do falecido. A pessoa escolhida poderia ser alguém indicado por ele em vida ou alguém que a família admirasse a ponto de o escolher. O traje, poderia ser a roupa preferida do finado, ou mesmo peças novas, compradas especialmente para o ritual que, como já falei, se chamava coberta d’alma, mas pode ser nominada como coberta da alma.

     A coberta da alma deve ser usada pelo escolhido nas missas de sétimo dia ou de um mês. Hoje, não se faz mais isso. Pegam as roupas dos mortos e dão para os mais pobres. Minha família, mesmo sendo descendente de açorianos, perdeu o hábito dessa cultura. Dia desses pedi para minha mulher pegar uma camisa de manga comprida e ela me passou uma que eu não conhecia. Então explicou tratar-se de roupa do meu cunhado que havia morrido, vítima da Covid-19. Senti um aperto no peito. Não chorei na frente dela, vesti como se tivesse ganho um dos melhores presentes de minha vida.   

     Fiquei contentíssimo de usar a camisa de alguém de quem eu tenho orgulho por ter entrado em minha família. E tenho certeza que ele também gostava muito de mim.

     Recordarei sempre de ti. Não apenas quando vestir tua camisa, mas sempre que algo bom me aconteça, pois tu eras a alegria em pessoa.

     Adeus Edinho.

 

 

Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 16Exibido 77 vezesFale com o autor