Usina de Letras
Usina de Letras
23 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62475 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10470)
Erótico (13578)
Frases (50861)
Humor (20083)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140904)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6250)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cordel-->O VERDADEIRO PAN -- 01/08/2007 - 11:23 (HENRIQUE CESAR PINHEIRO) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Realizar esse Pan-Americano,
no Brasil, foi um feito sensacional.
Do país até se acabou o mal;
toda poeira foi pra baixo do pano;
com medalhas até greco-ramano.
Os problemas com tráfico de droga
nos jornais não está mais em voga.
O Rio virou agora um paraíso.
Todos por lá têm um belo sorriso;
do país eles têm agora goga.

Mas ninguém sabe de uma reportagem
feita pela revista Caros Amigos
que aborda problemas nossos antigos,
tudo por trás tem só sacanagem.
Os espertos fazendo a rapinagem.
e sugando o dinheiro do país.
Presidente não sabe. Seu Luís!
Para se idealizar as tais medalhas
pagou-se para essa monte de gralhas
setecentos e vinte mil, se diz.

Que serão pagos ao longo três anos.
Segurança não fez licitação.
A empresa que não tem condição.
Mas fizeram negócios bem arcanos,
que pra nós foram mesmo draconianos.
O Pan não foi nem feito pelo COB,
mas por CO-RIO, pra que lucro se englobe
por Arthur Nuzman, um dos seus criadores,
a quem o povo vai dar seus louvores
pra que com ganhos do Pan nos esnobe.

A cunhada do Arthur, figurinista,
indicada pra fazer a medalha
que nos meteu bem fundo a navalha.
Não estou sendo ainda alarmista,
mesmo com as vitórias sou otimista.
Setecentos e vinte milhões reais,
foram os orçamentos originais,
mas de três bilhões se gastou no PAN.
Grana toda ela gasta em vã,
do PAN nem vila nos pertence mais.

Pra empresa que construiu a vila
adiantaram-se muitos milhões
como forma de antecipações
com um povo assim não se vacila
e político não entra na fila.
Até uma Medida Provisória
para dar grana para essa escória,
e pagar hospedagens de cartolas
vinte e dois milhões das nossas sacolas,
ainda se perdeu a Marina da Glória.

Empresário lá vão construir shopping,
mesmo com proteção ambiental
destruído a beleza natural.
Eu espero que tudo isso não vingue
que mais essa beleza não extingue.
As denúncias de a Caros Amigos
e que nos mostram mais esses castigos,
muito sérias para ser esquecidas
que afetam até as nossas vidas
mesmo quando não vemos os respingos.

Propuseram a uma firma francesa
que se desse percentual por fora,
o contrato fechava-se na hora.
Recusaram com muita gentileza.
Pois roubar povo seria safadeza.
A vitória nos credencia pra Copa
assim outra vez o povo se dopa.
Mão no peito pro Hino Nacional,
pois ungidos estão na aldeia global,
que ao povo corrompe com sua tropa.

Nós ganhamos medalhas de três tipos:
bronze, prata e bastante de ouro
um pequeno e um suado tesouro.
Corrupção, roubos nossos linotipos.
Esse câncer corrói: antecipo.
Não de pode aceitar comportamento
uns que buscam só seu enriquecimento
sempre às custas do sofrido povo
que assim que surgir fato um novo
se esquece de todo seu sofrimento.



HENRIQUE CÉSAR PINHEIRO
JULH0/2007
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 197Exibido 1002 vezesFale com o autor