Usina de Letras
Usina de Letras
32 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62475 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10470)
Erótico (13578)
Frases (50863)
Humor (20083)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140908)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6250)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cordel-->NORDESTINO DE SEDE E FOME MORRE. -- 03/09/2007 - 11:16 (HENRIQUE CESAR PINHEIRO) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Ainda quando Brasil era império,
e dom Pedro o nosso imperador,
fim da fome no nordeste vou pôr,
disse ele como muito critério.
Mas nordeste continua cemitério
E o seu povo sofre no sertão
com a falta d’água, também de pão,
e assim mesmo ninguém o socorre.
Nordestino de sede e fome morre
mas não se faz a tal transposição.

Nordestino antes de tudo um bravo,
quando vê o sertão esturricado,
foge da seca muito apressado.
Mas no Norte e Sul torna-se escravo.
Ainda é usado para conchavo,
pois político, com sua falação,
promete que as águas jorrarão.
Mal passada a eleição ele corre.
Nordestino de sede e fome morre
mas não se faz a tal transposição.

Até já se criaram vários órgãos
pra socorro dos pobres nordestinos,
mas dinheiro levado por cretinos
serve para comprar carros, mansões
e dar boa vida pra espertalhões.
No Ceará construíram Castanhão,
que mal feito já sofre erosão
pode ser até que parede torre.
Nordestino de sede e fome morre
mas não se faz a tal transposição.

Na justiça o tema hoje emperra.
Povo tem fome e necessidade
Muitos pra viver buscam caridade.
E de fome há gente que se ferra,
pra eles a justiça sua porta cerra.
Pois demora julgar qualquer ação,
mas a fome campeia lá no sertão.
Nordestino de sede e fome morre
mas não se faz a tal transposição.

Sobre sol causticante abrasador
luta pela vida no dia- a- dia.
Falta de água sua grande agonia
está a aumentar sempre essa dor.
Medo da seca é o seu terror.
Faz apelo pra sua superstição.
Estremece se canta o carão,
porque seu canto pra seca concorre.
Nordestino de sede e fome morre
mas não se faz a tal transposição.

HENRIQUE CÉSAR PINHEIRO
SETEMBRO/2007







Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 197Exibido 952 vezesFale com o autor