Usina de Letras
Usina de Letras
49 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60346 )

Cartas ( 21288)

Contos (13386)

Cordel (10358)

Cronicas (22276)

Discursos (3193)

Ensaios - (9712)

Erótico (13520)

Frases (48231)

Humor (19546)

Infantil (4824)

Infanto Juvenil (4173)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139334)

Redação (3115)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2437)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5808)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->NO FUNDO DO POÇO -- 31/01/2000 - 21:44 (antonio temoteo dos anjos sobrinho) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
NO FUNDO DO POÇO





“E comecei a definir, na boca induvidoso gosto:


de urina e merda.” Haroldo Maranhão, As Peles


Frias, p.13.








Faz pouco tempo, o coração batia,


forte pulsava cheio de ternura,


a todo tempo, infindo, noite e dia


buscava em teu amor paz e ventura,





até que descobri, por ironia,


o que no coração fez-lhe a amargura:


Avara por dinheiro e fantasia,


viver sem fantasia era u’a tortura.





E assim, no vai-da-valsa e da vaidade


meteu a mão sem dó e sem piedade,


botou-me a corda e o laço no pescoço.





Depois de chupar o osso da carcaça


levou de resto as sobras da devassa


e o seu caráter p’ra o fundo do poço.


Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui