Usina de Letras
Usina de Letras
35 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59656 )

Cartas ( 21253)

Contos (13324)

Cordel (10319)

Crônicas (22226)

Discursos (3169)

Ensaios - (9535)

Erótico (13486)

Frases (47208)

Humor (19423)

Infantil (4618)

Infanto Juvenil (3936)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138764)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2432)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5656)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->Pedras -- 16/04/2005 - 15:58 (Ari de souza) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
No meio do caminho tinha uma pedra.

No meio da pedra tinha um caminho.

No meio do meio, meu caminho de pedras

e nas adjacências, meu sorriso vazio.



No meio eu tinha, uma pedra no caminho,

mas não tinha no caminho, uma pedra que fosse meio.

Mas todos os meios, eram pedras no caminho,

e todas as pedras, eram caminhos ao meio.



Nem todas podiam matar-me inteiro

na sede seca que na pedra eu tinha.

Mas todas juntas, eram pedreiras erguidas

acima de todos, por onde se viam os caminhos.



Eram tantos, os meios, caminhos que eu tinha

que uma pedra entre meios, abria caminhos que eu não via.

e todas, ligeiras, bordadas com brilho

eram espelhos de areia, nas margens de um rio.



Fundo, nauseante, macio nas profundezas,

meu rio de pedras brilhava sozinho.

Tocava nas margens. Cortado em espinhos.

Passavam-se anos, seguia caminho.



No meio do caminho, as pedras surgiam

e aos poucos ficavam todas polidas.

As correntezas dançantes, levantavam fontes

depois seguiam apaziguadas dormindo.



E no jogo dessa vida, nas leis não havia

rebeldia das pedras que para trás nunca voltavam.

As águas batiam, as pedras se diluíam,

e no ar eram suspensas: num pó de deserto se decantavam.



Deltas partiam-me, partes me eram arrancadas.

Mas no fim, como um todo,

diante do mar tudo se juntava.

E no meio, dos infinitos caminhos

reflexo de todas as jornadas,

eu era uma mistura,

de todas as vidas,

por mim em pedras, passadas.







Obs. Trata-se, pois, de uma clara bebida fermentada e inspirada nos versos de Drummond.

Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui