Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
36 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59134 )

Cartas ( 21236)

Contos (13113)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46517)

Humor (19281)

Infantil (4460)

Infanto Juvenil (3726)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138234)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->UM TRÁGICO ROMANCE -- 25/01/2008 - 17:32 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.
UM TRÁGICO ROMANCE

Eu não sei qual a razão
De certos acontecidos
Fatos extraordinários
No mundo têm ocorridos
Nem a ciência explica
A tamanha vida rica
Nesta terra de perdidos.

Os homens evoluídos
Algum dia se dão conta
Que a mulher tem o papel
Na sociedade já pronta
Mercê de sua beleza
Para até virar a mesa
Contestando ela apronta.

Quando em cavalo monta
A mulher é um perigo
Não pensa sequer no bruto
Só lembra do macho amigo
O seu príncipe encantado
Marido ou namorado
Que lhe dá amor e abrigo.

Por tudo ou nada eu digo
Que a mulher tem coração
O homem traz na cabeça
Seu raciocínio e razão
Que lhe causam só tormento
Forçando-o a ser violento
E assim morrer de ilusão.

No tempo da escravidão
Romance também havia
Conto aqui um caso triste
Do jeito que eu li um dia:
É a trilha duma paixão
Em que a filha do patrão
Por um escravo nutria.

Com beleza e simpatia
Tinha carinho e amor
Pelo peão capataz
Com seu olhar sedutor
Domando éguas e burros
Enquanto ouvia sussurros
Da andorinha e do condor.

Ele ofertou-lhe uma flor
Lá no alto do espigão
Numa manhã de calor
Cavalgando um alazão
Não escondeu seu desejo
Pediu a Rosinha um beijo
Declarando-lhe a paixão.

Rosinha na indecisão
Disse a Catimbau porém:
- Muito embora eu o ame
Eu gostaria também
Que o beijo da emoção
Fosse em festa de São João
Que em pouco tempo vem.

Catimbau ficou refém
E concordou com Rosinha
Domando cavalos xucros
Toda tarde ele vinha
Montado num potro branco
E achegando-se ao barranco
Pulava como convinha.

Cupido sempre adivinha
E torce pelo casal
Passaram-se cinco meses
Pulando o Carnaval
Veio a festa da família
Fogos quentão e quadrilha
Muita gente no quintal.

Fogueira e figueiral
Balões nos céus e rojões
O moço e a donzela
Atavam seus corações
Catimbau com seu olhar
Via Rosinha dançar
Com seus amigos peões.

No auge das emoções
Catimbau bebeu uma pinga
E no salão adentrou-se
Demonstrando muita ginga
Dançou com uma mulata
Como dizendo à ingrata
Cedo ou mais tarde se vinga.

Para não deixar restinga
Pai de Rosa discursou
Tanto que o sanfoneiro
A bela valsa parou
E o velho disse: - Dou Rosa,
Filha querida e dengosa
Ao peão que a conquistou.

O coronel desafiou
Peão que tivesse raça
Numa laçada certeira
Prendesse o Boi Fumaça
Trazendo o touro amuado
Na porta do seu sobrado
Para ganhar sua graça.

Os peões todos em massa
Esconderam-se de medo
Inclusive Catimbau
Ocultou o seu segredo
E se refugiou num canto
Pedindo pra todo santo
Livrá-lo daquele enredo.

O povo apontou o dedo
E gritou em arruaça:
- Apareça o Catimbau
Pra laçar o Boi Fumaça
Pois se ele dá no couro
Lace agora o forte touro
E o arraste até a praça.

Rosinha meio sem graça
Pediu para seu amado:
- Atenda o pedido meu
Quero este boi laçado
Catinbau disse: - Eu laço
O boi e quero o abraço
Com o beijo combinado.

Catimbau encorajado
Pelo sinal positivo
Achinchou o burro preto
O seu amigo cativo
Que foi logo pinoteando
Num trotear relinchando
Como a dizer: - Estou vivo.

Botando o pé no estrivo
Catimbau disse a Rosinha
Eu vou laçar esse touro
Conforme a sorte minha
Mas aquele beijo seu
Que você me prometeu
Quero de minha rainha.

Com a destreza que tinha
Catimbau jogou o laço
Que foi certeiro nos cornos
Como que dando um abraço
Nos chifres do boi valente
Que pulou e um acidente
Acarretou num fracasso.

É com tristeza que traço
Os meus versos em jogral
Pois no pulo que o boi deu
Teve a festa seu final
Laço em nó no seu pescoço
Decepado o belo moço
Caiu morto no curral.

Chorando seu grande mal
Sinhazinha lamentava
A sorte que pôs um fim
Ao amor que começava
Com o peito estraçalhado
A cabeça do amado
Em seu colo segurava.

Sendo forte e muito brava
Rosinha se levantou
Exibindo a cabeça
Daquele que tanto amou
Disse a ele com desejo:
- Primeiro e último beijo
Com carinho eu lhe dou.

Sou poeta e me vou
Após contar-lhes a estória
Do amor que não tem fim
E nem sempre encontra glória
Mas entre burros e bois
O testemunho dos dois
Vamos guardar na memória.

BENEDITO GENEROSO DA COSTA
benegcosta@yahoo.com.br
DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 101Exibido 1843 vezesFale com o autor