Usina de Letras
Usina de Letras
28 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62475 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10470)
Erótico (13578)
Frases (50863)
Humor (20083)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140908)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6250)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cordel-->NO CEARÁ TAMBÉM HOUVE ONZE DE SETEMBRO. -- 25/03/2008 - 21:29 (HENRIQUE CESAR PINHEIRO) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Dia onze de setembro
Não é só pra americano
Naquele dia no Word Trade
Morreu gente boa e bacana
Aqui no nosso Ceará
pobres que viviam da cana.

Lá as pessoas foram mortas
Por consideradas “infiéis”.
No Ceará uns miseráveis
Desafiaram coronéis
foram mortos de maneira
e de forma bem cruéis.

Tudo isso que aconteceu
Foi no ano de trinta e sete
No Sítio Caldeirão onde
não conhecia camionete
Aviação foi lá matar
Quem não portava canivete.

O sítio fica no Crato,
Na região do Cariri.
Mataram os lavradores,
Colhedores de piqui.
Que criaram associação
Para da seca fugir.

Pois fora considerada
grande ilegalidade.
E os poderosos foram
Com toda ferocidade
Massacrar pobres coitados
E toda a comunidade.

Só porque eles romperam
Com os latifundiários,
E mesmo na sua pobreza
Tornaram-se solidários.
Por isso tiveram mortes
Impostas por adversários.

Um massacre de extermínio
Do exército brasileiro
Igual ao do Contestado,
também o de Conselheiro.
Agora era a vez do povo
das cercanias de Juazeiro.

O beato José Lourenço
Com a sua comunidade
fez açude, irrigação
E plantava por gravidade,
Peixes eram criados para
Sustentar a irmandade.

Aquele grande paraibano
Arrendou o Baixo Dantas
Pequena faixa de terra
Bem no meio de duas gargantas
Onde todo mundo tinha
Cafés, almoços e jantas.

A comunidade foi logo
Uma vítima dos boatos
E um chefe militar
Já partiu para os maus-tratos.
E matar um boi do sítio
Foi um dos primeiros atos.

Acusou a comunidade
De adorar o animal.
E com toda autoridade
No bicho enfiou o punhal.
Por considerar o boi
representante do mal.

Como o povo não se rendeu,
Aí o sítio foi vendido.
E o novo proprietário
Pões aquele bando fodido
Para fora de suas terras
E não ficou constrangido.

Que dali foi morar no
Caldeirão dos Jesuítas
Uma fazenda árida
Que nem cascavel habita.
Mas por ele transformada
Ficou próspera; bonita.

Tudo feito em mutirão
Num sistema coletivo,
Desde a criação de animal
E das plantas o cultivo.
Todos tinham seu quinhão
Como grande incentivo.

Lá não havia coronéis
Com seus bandos de jagunço
Para explorar o povo
E o açoitar com seu chuço.
Pro povo que trabalhava
o negócio ficou ruço.

Tudo isso logo despertou
grande ira dos poderosos
Que trucidaram o povo
Como bando de cães raivosos.
Essa é outra vergonha
De fatos bem tenebrosos,

Que nossa História esconde,
Com suas versões oficiais.
Notícias não divulgadas
Nem nos rádios, nem nos jornais.
Hoje com a televisão
As coisas continuam iguais.
Covardemente continua
Sendo o povo massacrado.
E o pouco que ele ganha
Também é sempre roubado.
Mas se roubar pra comer
É preso e torturado.

Essa é mais uma mancha
Que emporcalha a Nação.
Como foi o Valerioduto
E também o mensalão.
Muitos outros escândalos
Sem muita repercussão.

HENRIQUE CÉSAR PINHEIRO
FORTALEZA/MARÇO/2008
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 197Exibido 954 vezesFale com o autor