Usina de Letras
Usina de Letras
56 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60367 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22277)

Discursos (3194)

Ensaios - (9716)

Erótico (13520)

Frases (48255)

Humor (19555)

Infantil (4830)

Infanto Juvenil (4180)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139367)

Redação (3119)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5812)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Uma criança que corre ao meu encontro -- 03/08/2003 - 23:05 (Athos Ronaldo Miralha da Cunha) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Uma criança que corre ao meu encontro
Athos Ronaldo Miralha da Cunha


Passaram-se longos onze anos.
A imagem ainda é nítida e seguidamente vem em minha memória: uma criança que corre ao meu encontro. Vem com os braços abertos e tem um sorriso de felicidade. Seus olhos negros brilham de alegria e trazem no fundo uma ansiedade incontida.
Uma menina sapeca e extrovertida. Calça sandálias e veste uma jardineira rosa. Pula sobre mim e abraça-me todo, com os braços e as pernas. Um abraço com gosto de saudade.

Outubro de 1992. No terminal rodoviário do Tietê, aguardava impaciente a chegada dos ónibus vindos do sul. Estava há dois meses ausente da família e a saudade doía como sempre doem as saudades. A espera se prolongava e o burburinho do terminal confundia as pessoas. Sentando em algum banco sonhava com os carinhos e o sorriso dos amores para matar a dor da ausência. No seio dessa metrópole ensandecida de vultos errantes, procurei, incansavelmente, minhas origens. Embora, com a certeza que não encontraria, procurava. Onde estão minhas origens? - perguntava-me vez por outra.

- Isso é uma loucura. - pensava, cabisbaixo, próximo ao box de chegada.
Tomara duas cocas e uma água tónica. E o ónibus vindo do sul não chegava. Estava atrasado, aproximadamente duas horas. A lentidão dos ponteiros do relógio e o intenso vaivém dos passageiros aumentavam minha ansiedade.
- É muita gente. - comentava ensimesmado diante de um terminal rodoviário que fervilhava.
Aliás, São Paulo inteiro fervilha. Qualquer local dessa cidade há intensa agitação. São Paulo é um coração em permanente taquicardia. Parece-me que todos correm para um lugar qualquer e vêem de um lugar incerto. O importante é andar sempre com a vontade de chegar mais cedo ou antes.

Quando temos certeza do reencontro a saudade é generosa não fere tanto quanto a dor da partida sem volta.
Caminhava de um lado a outro do barulhento e desagradável terminal do Tietê.

Finalmente, como por encanto, nossos olhos se encontram. Larga da mão de sua mãe, desvencilha-se de uma mochila e veio em disparada, faceira, ligeira e feliz ao meu encontro. Naquele instante, para nós, não havia mais ninguém na estação Tietê.
Somente nós, no meio da estação, a girar... que maravilha... a girar.
Ainda hoje quando pressinto uma despedida minha memória volta-se para outubro de 1992 e vejo nitidamente a menina que vem correndo ao meu encontro.
E sou capaz de ouvir sua voz.
- Quanta saudade, pai.

Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui