Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
36 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59134 )

Cartas ( 21236)

Contos (13113)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46517)

Humor (19281)

Infantil (4460)

Infanto Juvenil (3726)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138234)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->A REDENÇÃO DE JESUS -- 18/05/2008 - 15:28 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.
A REDENÇÃO DE JESUS

Deus estava no curral
Na hora que eu cheguei
Ele era uma criança
Mas tinha feição de rei
Donde vim pra onde vou
Sequer eu sei quem eu sou
E nem para onde eu irei.

O meu poder eu darei
Falou-me o inimigo:
- Se tu és filho de Deus
Escuta o que eu digo
“Mata tua fome de pão,
Uma ou duas pedras são
Feitas de azeite e trigo”.

Jesus Cristo meu amigo
Interveio em meu favor
Dizendo que a resposta
Só pode ser com amor
Tampouco de pão se vive
E que Deus jamais o prive
Da palavra do Senhor.

Conduziu-me o Tentador
Á torre de uma igreja
No alto eu tive vertigem
E rezei: Que Deus me seja
Neste pulo que vou dar
Para ser sobre o altar
A dádiva benfazeja.

O que o homem deseja
É o poder de dominar
Assim foi que o Diabo
Prosseguiu-me a tentar
Dizendo: - O mundo é seu
Com fama, glória que eu
Dou a quem me adorar.

Não se deve a Deus tentar,
Assim diz a Escritura,
Nenhum filho seu jamais
Atira-se duma altura,
Como que sobrevoando
Sobre o povo esperando
Ao redor da sepultura.

A vida nunca perdura
Por mais que haja conforto
Já que um mundo de miséria
Nos expulsa até o porto
E nos embarca ao nada
Para a última morada
Refúgio do desconforto.

Eu para mim estou morto
Engravatado em meu terno
Conforme a escolha que fiz
Vou para o céu ou ao inferno
Em nada disso eu creio
Porque sei que Jesus veio
Para tornar-me eterno.

BENEDITO GENEROSO DA COSTA
benegcosta@yahoo.com.br
DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 101Exibido 850 vezesFale com o autor