Usina de Letras
Usina de Letras
90 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59659 )

Cartas ( 21254)

Contos (13324)

Cordel (10319)

Crônicas (22226)

Discursos (3169)

Ensaios - (9535)

Erótico (13486)

Frases (47208)

Humor (19419)

Infantil (4619)

Infanto Juvenil (3936)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138766)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2432)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5656)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->FENIX II -- 05/08/2005 - 08:42 (ALEXANDRA APARECIDA JAHNEL PASCOAL) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
FENIX II



Nem bem o céu, nem bem o mar.;

tanta distância em terra para contar,

não sendo criatura do vento

não sendo criatura do tempo

não sendo criatura do ar,

somos criatura de fogo alada

nascida em enseada enluarada.;

que nem sempre sonha, mas sempre adormece,

que por vezes demora, porém jamais esquece,

que tantas vezes chora e por isso estremece,

cujo coração, em chamas, eternamente permanece.



Que por sermos tantos grãos de areia,

temos certeza do avanço das ondas poder impedir,

queremos retardar pela eternidade esse entardecer,

nos iludimos em poder lutar e resistir,

mas nos resta a lágrima e um novo amanhecer,

nos cabendo somente ver o veleiro partir.



Tendo tantos caprichos esse mar,

arrancou da enseada nosso barco guia,

nos deixando ao sabor de ondas e ventania.

nos deixando nessa praia em noite de luar

Mas o horizonte ao amanhecer anuncia,

quão infinito é nosso caminho, temos que mudar.

Somos fenix renascida das cinzas, um dia vamos voar.;

mas para aquele que agora tem que navegar,

desejamos ter sorte, ser feliz e ter um breve retornar.







XANTRA LENHAJ

04.08.2005



Dedicado a: Cleyton Veiga Costa



Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui