Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
44 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59138 )

Cartas ( 21236)

Contos (13105)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46521)

Humor (19282)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138242)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5526)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->A PAZ NOSSA DE CADA DIA -- 08/02/2009 - 01:41 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.
A PAZ NOSSA DE CADA DIA

“Foi na cruz, foi na cruz
Que um dia eu vi
Meus pecados castigados em Jesus.”

I

O que acontece
Na vida da gente
Volta no presente
E nos aborrece
Quando nem a prece
Consegue afastar
Aquele azar
Que aconteceu
E deu no que deu
Para atazanar.

II

Como bom seria
Se houvesse paz
Do jeito que faz
E prega a poesia
Assim gostaria
De reconciliar
Co’a sorte o azar
Pra fazer a teia
Com quem me odeia
E quer me matar.

III

Se estendo a mão
E o irmão vira a cara
A pérola rara
Não brilha no chão
E na escuridão
Se afunda no mar
E torna a voltar
À concha que fecha
Só deixa uma flecha
Ferindo a sangrar.

IV

É na paz que digo
Que quero abraçar
Quem me fez chorar
Tendo Deus comigo
No amor consigo
Com dor perdoar
E fico a esperar
Aquele amigo
Que fez-se inimigo
Logo ao me beijar.

V

Não quer ou não pode
Vou ser mais exato
É dito e é fato
Se o Saci sacode
A barba do bode
Sai forrobodó
E ninguém tem dó
De quem cai por terra
Cordeiro não berra
Corte no gogó.

VI

O carneiro agora
Diante da morte
Só lamenta a sorte
Não berra e chora
Porque vai embora
Contra sua vontade
Quis ter liberdade
E feliz viver
Mas tem que morrer
Por sua verdade.

VII

Verdade é que eu
Neste itinerário
Rumo ao Calvário
Sou o Cireneu
Que se comoveu
Ao ver sob a cruz
Cristo que a conduz
Eu bem descansado
Levei no costado
A Cruz de Jesus.

VIII

Agora eu porém
Devo refletir
E fazer luzir
O meu próprio bem
Mas eis que me vem
À minha consciência
Toda indolência
Também má vontade
De achar a Verdade
Com Fé e Ciência.

IX

Sei que errei demais
Por querer sozinho
Seguir o caminho
Sem retornar mais
À casa dos pais
Para ouvir deles
Conselhos que eles
Deram-me ao partir
Que não quis ouvir
E hoje penso neles.

X

Pergunto agora
Que pensa de mim
Se me acha ruim
Aquela Senhora
Que numa má hora
Chamei de gorducha
Feia qual a bruxa
Quando era moleque
Mas hoje meu leque
Fecha, abre e repuxa.

XI

Por onde andará
A séria vizinha
Que em sua casinha
Orava a Jeová
E nós fomos lá
Toda molecada
Pra fazer piada
E muita algazarra
Numa grande farra
Deixando-a irritada.

XII

E o velho lixeiro
Que a praça varria
Todo o santo dia
O ano inteiro
Por pouco dinheiro
Para seu sustento
Eis que me apresento
Qual fera ou bicho
Seu saco de lixo
Com bomba arrebento.

XIII

Saúde abalada
Seu coração fraco
No estrondo do saco
Teve uma parada
E o camarada
Caiu no chão duro
Eu pulei o muro
Moleque sapeca
É assim que peca
Coração impuro.

XIV

Também a beata
Não ficou isenta
Nem com água benta
De sua cascata
Hoje me retrata
A mente aberta
Que jamais foi certa
A arte que fiz
À pobre infeliz
Na igreja deserta.

XV

Ao cair da tarde
Lá estava ela
Com terço e vela
Acesa que arde
E este covarde
Começa a bradar
Debaixo do alar
De lá observando
A moça rezando
No seu balbuciar:

XVI

“Sou Menino Deus
Ou Jesus Menino
Conheço o destino
E os arcanos seus
Falsos fariseus
Aqui desta igreja
A irmã deseja
Amá-los na cama
Seu ardor inflama
E a coisa lateja”.

XVII

A pobre coitada
Teve um desmaio
Foi como um raio
Saí em disparada
E topei na escada
O padre chegando
Na frente rezando
Duma procissão
Ficou o sacristão
Mistério explicando.

XVIII

Essas peraltices
Fiz quando criança
Ficou na lembrança
Outros diz-que-disses
Das esquisitices
Hoje pesadelos
Cobrando-me zelos
Por tudo que é sério
Ante o Mistério
Com tantos desvelos.

XIX

Quero a paz comigo
E a tenho buscado
Pra ver derrotado
O Grande Inimigo
Pois meu bom amigo
É Cristo Jesus
Que morreu na cruz
Para me salvar
Com sorte ou azar
E ao céu me conduz.

XX

Eu consciente agora
Tendo me encontrado
Sou um libertado
Dos grilhões d’outrora
Salvei-me na hora
Que morreu na cruz
O Cristo Jesus
Na luta da Terra
Pra no fim da guerra
Renascer na Luz.


BENEDITO GENEROSO DA COSTA
benegcosta@yahoo.com.br
DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 101Exibido 753 vezesFale com o autor