Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
48 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59138 )

Cartas ( 21236)

Contos (13105)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46521)

Humor (19282)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138242)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5526)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->AO MEU MESTRE SILVA FILHO -- 08/02/2009 - 15:47 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.
AO MEU MESTRE SILVA FILHO

Espero que de improviso
A minha verve relate
Um pouco de SILVA FILHO
Na verdade um grande vate
Tem ele um itinerário
De mestre universitário
A poeta de bom quilate.

O amigo SILVA FILHO
Há seis anos encontrei
Ao dar-me as boas vindas
Quando aqui eu cheguei
Foi quem me abraçou primeiro
E me apresentou ligeiro
Ao grupo que integrei.

Disse-me ele na ocasião
Que o poeta tem mestre
Cabe a ele a escolha
Sem ver a roupa que veste
No caso de um cordelista
Como eu que sou paulista
Devia olhar o nordeste.

A terra de cangaceiros
Pesar disso é exemplo
Pois a região nordestina
De todo bardo é um templo
Li cordel quando menino
Por isso o céu nordestino
Daqui do sul eu contemplo.

Comecei versificar
Com doze anos de idade
Porém já aos nove anos
Eu tive a felicidade
De ler com muita alegria
A popular poesia
Do cordel de qualidade.

Mas voltando ao amigo
Este grande piauiense
ALMIR ALVES SILVA FILHO
Um intelectual que vence
Ele mora em Teresina
Eu resido em Londrina
Sou quase paranaense.

Autor de livros didáticos
Na área tributarista
SILVA FILHO, além disso,
Um poeta cordelista
Entre os autores do Usina
Sempre foi a jóia fina
Um dos primeiros da lista.

Mas apesar dos pesares
E razões do coração
Aqui ele vem e vai
Nos deixando a solidão
Conhecida dos poetas
Nas linhas tortas e retas
Escritas com exatidão.

SILVA FILHO, o cidadão,
Conhece o Brasil de fato
De economia e política
E briga entre cão e gato
Escreve ele de tudo,
Entretanto e contudo,
Eu vou ser um tanto chato.

SILVA FILHO é ingrato
E com tristeza confesso,
Sempre que ele vai embora
No Usina há um recesso:
Seus escritos ele apaga
Em nós deixando uma chaga,
Não faça isso, eu lhe peço.

Lembro que ele me disse
E o que falou foi bem dito:
Já não é mais regional
Todo cordel bem escrito
Pois está disseminado
E no Brasil consagrado,
Mas será o Benedito?!

BENEDITO GENEROSO DA COSTA
benegcosta@yahoo.com.br
DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 101Exibido 883 vezesFale com o autor