Usina de Letras
Usina de Letras
27 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62477 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10470)
Erótico (13578)
Frases (50864)
Humor (20083)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140908)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6251)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cordel-->NA BUSCA POR NAMORADA, SUJEITO PUBLICOU ANÚNCIO EM JORNAL -- 25/05/2009 - 15:32 (HENRIQUE CESAR PINHEIRO) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
ANÚNCIO PARA ARRUMAR NAMORADA



Matéria publicada em um jornal de circulação diária, do Estado do Ceará.
I
Um sujeito no Ceará,
Um cabra muito arretado,
Resolveu anunciar
Que estava descasado.
E em busca de namorada,
Não foi nada recatado.

II
Pra arranjar uma garota,
Resolveu fazer enquete.
Pôs anúncio no jornal
Na busca por uma tiete.
Fez o anúncio circular
E destacou a manchete,

III
Com bastantes exigências,
Impôs muitos requisitos.
E quem aceitasse o acordo
Teria que seguir seus ritos
E um dos mais exigidos:
Gostar de dar o priquito.

IV
Homem de quarenta anos
Que só gosta de mulher,
Busca moça até quarenta
Que tenha tudo em pé.
Fora deste requisito
Não concorra. Ele não quer.

V
E mulher que gosto de homem
Jamais de outra mulher.
Porque mulher de pé grande
Descarta todas que vier;
Não ver nacionalidade
Pode ser da China até.

VI
A mulher deve também
Ter boa escolaridade
Para não dizer a outros
Muita imbecilidade
Coisas muito corriqueiras
De boa popularidade.

VII
Que nunca venha falar,
MENAS vezes, por exemplo;
Ou “quando eu si casar”,
“Contempro”, invés de contemplo,
ou “já se operei de apênis”,
Não consiga dizer templo.

VIII
Tem um “pobrema de úter”,
“Adoro tá com você”,
“é de grátis” ,”vou de a pé”
e que saiba odedecer.
Não fale outras besteiras
E não goste de clichê.

IX
Com olhos de qualquer cor,
Mas desde que sejam dela.
Olhem pra mesma direção.
E não pode ser banguela
Dentes que ao deitar fiquem
Na boca, não numa tigela.

X
Com uns seios bastante firmes,
Tamanho de mamão papaia.
Mamilos que olhem pro céu,
Nunca iguais aos duma biscaia.
Pode olhar pro purgatório,
Nunca pra baixo, pra saia.

XI
Com uma boa consistência
Pra não fugir entre os dedos,
Igual a massa de pão.
Não igual a um penedo.
Pode ter pouca barriga.
Não pode ser um balsedo. (*)


XII
Boca e lábios muito macios,
Com beiço não confundir.
Não ser maníaca sexual
A boca não pode abrir
Pra bocejar no ato sexual.
No orgasmo pode sorrir.

XIII
No orgasmo pode também
Pra torná-lo interessante,
Gemer, gritar, piscar olhos,
que seja mesmo esfuziante.
E será ainda melhor
Se ela for bem provocante

XIV
Entretanto no ato sexual,
As horas não pode olhar,
Não pode rir, nem dormir,
E não pode cochilar.
Não tenha feito análise
Pra loucura camuflar.

XV
Deve ter um carro que ande,
Nem que seja uma Brasília,
Ou dinheiro para o táxi
Para voltar pra família.
De madrugada levar
Namorada dá quizília.

XVI
Enviar carta pro jornal
Com foto muito recente
Que mostre o corpo inteiro
De costas, também de frente.
Com a boca entreaberta
Sorrindo mostrando dente.

XVII
Com seguinte o codinome:
“Quem foi mordido de cobra,
Tem medo até de barbante.”
E pra se evitar mão-de-obra
Quem não tiver os requisitos
Não responda, porque sobra.

(*) Balsedo – balseiro. No Ceará pessoa muito gorda.

HENRIQUE CÉSAR PINHEIRO
FORTALEZA, MAIO/2009
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 197Exibido 906 vezesFale com o autor