Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
42 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59134 )

Cartas ( 21236)

Contos (13113)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46517)

Humor (19281)

Infantil (4460)

Infanto Juvenil (3726)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138234)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->FIO DE BARBA DE SÃO PEDRO -- 19/07/2009 - 15:03 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.
FIO DE BARBA DE SÃO PEDRO

Conheci certo devoto,
Como ele ninguém mais,
Sua extrema piedade
Não esquecerei jamais,
Ele era na verdade
O vigário da cidade
E que tinha fé demais.

Já de idade, mas ativo,
Fazia grandes sermões,
Piedoso e bonachão
Era amado sem senões
Por todos os paroquianos;
Em junho, todos os anos,
Tinha festa e procissões.

Simão Pedro, o pescador,
Era seu santo querido
Por ter sido combativo,
Apesar de empedernido,
Mas que foi, embora isto,
Pelo próprio Jesus Cristo
Primeiro Papa escolhido.

A irmã coordenadora
Da equipe de liturgia,
Ela e um grupo de fiéis
Seguiram em romaria
Certa vez à terra santa,
Aonde se colhe e planta
A fé em Cristo e Maria.

O grupo de peregrinos
Partiu numa madrugada,
Antes, porém uma missa
Na capela foi rezada,
Quando o velho vigário
Puxando do calendário
Saudou Pedro na entrada.

Despedindo-se do padre,
Disse a madre sorridente:
- Prometo para o senhor
Que lhe trago de presente
Uma relíquia sagrada
Daquela terra abençoada,
O berço de todo crente.

O grupo seguiu viagem,
Ficou o padre esperando
O retorno dos fiéis,
A todo tempo pensando
Que presente esse seria,
Até que chegou o dia
Dos peregrinos voltando.

Trouxeram da Palestina
Alguns pedaços da cruz,
Manchados do sacro sangue
Derramado por Jesus,
Frascos de óleo da unção
E águas do Rio Jordão,
Fé, esperança e muita luz.

A freirinha virtuosa
Do padre não esqueceu,
Numa caixinha ela trouxe,
Preso sobre um camafeu,
Da barba de Pedro um fio,
Sentiu ela um arrepio,
Quando o judeu lha vendeu.

Tarde o grupo de romeiros
Da praça se dispersou,
A freira no seu convento
Com as irmãs se juntou,
Todas viram sem tocar
O relicário no altar,
Onde a madre o colocou.

Na manhã do outro dia,
Rumo à igreja a bela freira
Resolveu dar uma olhada
Na relíquia verdadeira,
Fio da barba de Simão
Tirou-lhe o vento da mão
E sumiu em meio à poeira.

A freira não vacilou
E reagiu com desvelo...
Enfiou a mão sob o hábito,
Arrancando um ruivo pêlo,
Pensou: “Não faz diferença,
O padre na sua crença
Contente irá recebê-lo”.

Radiante foi para a igreja
Com o seu sorriso aberto
Avistar-se com o padre
Que a esperava por certo,
Da porta viu o vigário
Desfilando seu rosário
Naquele templo deserto.

Ele veio ao encontro dela
Com o sorriso mais franco
Naquela batina preta,
A irmã de hábito branco,
Depois do efusivo abraço
E ofegantes de cansaço,
Ambos sentaram no banco.

A caixinha foi aberta
E o padre se espantou
Vendo um fio encaracolado,
Mas a madre lhe explicou
Ser da barba de São Pedro,
Relíquia tida em segredo
Que de um judeu comprou.

Beijando o fio de cabelo,
Disse o padre emocionado:
- É de fato de São Pedro
Tal fio de barba enrolado,
Isso aumenta minha fé,
Porquanto eu sinto até
Cheiro do peixe pescado.

BENEDITO GENEROSO DA COSTA
benegcosta@yahoo.com.br
DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS







Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 101Exibido 845 vezesFale com o autor