Usina de Letras
Usina de Letras
27 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62475 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10470)
Erótico (13578)
Frases (50863)
Humor (20083)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140908)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6250)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cordel-->A GRIPE SUÍNA -- 02/08/2009 - 18:24 (HENRIQUE CESAR PINHEIRO) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

A mídia agora só fala
Na tal de gripe suína
Criada por americanos
Pra vender nova vacina
Já que caíram as vendas
Da velha penicilina.

Criaram a gripe do frango
A tal de gripe aviária.
Como a moda não pegou
Mudaram a culinária.
Deve ser a mesma doença
Com outra indumentária.

Devemos nos preparar
Pois logo vem gripe bovina.
Depois teremos mais outra
Que chamarão de caprina.
Círculo que não se esgota
Prepare-se pra gripe ovina.

Mas já está comprovado,
A engenharia genética
Criou o vírus dessa gripe
De forma bem hilética.
Lucram os laboratórios
Com essa falta de ética.

A doença até tem causado
Em todo tipo de cidade
Uma mudança de vida
Por conta da enfermidade.
Comércio está morrendo
Com essa fatalidade.

Na minha pequena cidade,
Joãozinho de Marina
Sustentava sua família
Vendendo carne suína.
Mas com a queda nas vendas
Mudou pra carne caprina.

Agora inventou um novo
Modo de faturamento
E vai processar linguiça
Com carne de jumento,
Pois não inventaram vírus
Até o presente momento.

Nessa cadeia alimentar
A raça dos asininos,
Deverá ser a última
Pois temos ainda os caninos
Bem apreciados por gente
Que tem olhos pequeninos.

Pensando desta maneira
Montou um frigorífico.
Até importou jumento
De longe, do Pacífico.
Nesse novo investimento
Teve lucro magnífico.

Porém com tanto jumento
Aqui no nosso Brasil,
O couro desse animal
Vai pra indústria fabril,
Com grande revolução
No comércio mercantil.

Os portugueses que vendem
Sanduíche de pernil
Estão comprando jumento,
No Ceará, em Tamboril.
Na cidade não se vê
Mais nenhum velho cabril.

Pois foram modificados
Para abrigam mais jumento.
Tudo para aproveitar
A nova onda do momento
E tentar desenvolver
Um novo medicamento

Pra nova onda de gripe
Que pode ser do jumento.
E nossas exportações
Terá um grande incremento,
E nosso cabeça chata
Mostrando conhecimento.

HENRIQUE CÉSAR PINHEIRO
FORTALEZA,AGOSTO/2009
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 197Exibido 1236 vezesFale com o autor