Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
46 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59134 )

Cartas ( 21236)

Contos (13113)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46517)

Humor (19281)

Infantil (4460)

Infanto Juvenil (3726)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138234)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->OS TRÊS PREGUIÇOSOS -- 01/11/2009 - 16:24 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.
OS TRÊS PREGUIÇOSOS

I

A preguiça é pecado,
Um dos vícios capitais,
Dizem que chega atrasada
Até para os comensais,
Se esconde, não aparece
Quando o dia escurece,
Mas vai cedo aos matinais.

II

Quem escuta meia missa,
Sai da igreja meio bento
E sabe que ao entardecer
Todo gato é cinzento,
Quando anoitece é pardo,
Conforme diz o brocardo,
Assim fala o velho vento.

III

Aprendi no catecismo
Que o homem preguiçoso
Vai sempre na contramão
Daquele que é ganancioso,
O certo é estar no meio,
A verdade até mim veio,
Foi-se e me deixou saudoso.

IV

Em nossa era moderna,
Tudo é por competição,
Vence sempre o mais forte,
Mesmo sem ter coração;
É a Lei do Capitalismo
Que empurra para o abismo
A nossa grande Nação.

V

A represa é uma barragem,
Barra cachoeira e cascata
E o cerrado vai morrendo
Pela sanha insensata;
A lei do mercado dita
E a moto-serra grita,
Chorando ao matar a mata.

VI

Mesmo assim o brasileiro
Acha razões para rir,
Seja em samba ou futebol,
Sempre aposta no porvir
E que viva o machismo!
Despreguiça-se o cinismo:
“Mulher é só pra parir”.

VII

Só não choremos em vão:
Sobrevive a classe média,
No auge a alta supera,
Geme no chão a tragédia
A baixa os seus lacrimais;
Sem esquecermos jamais,
Que a vida é uma comédia.

VIII

Toda piada para mim
Traz uma útil mensagem,
Aquela que conto adiante
É contrária à vadiagem,
Aquele que conta um conto,
Embora aumente um ponto,
Nunca perde a viagem.

IX

Em São Paulo, a Capital,
Fez-se um concurso recente,
Foi no Teatro da USP,
Por sinal bem concorrente;
No edital estava dito
Que o único requisito
Era a preguiça somente.

X

Entre tantos candidatos
Ficaram três finalistas:
Um mineiro e um carioca,
Outro um gaúcho de cristas,
Mas antes do julgamento
Houve um entretenimento,
Os três dançando em pistas.

XI

O mineiro dançou bem
Seu famoso arrasta-pé,
Carioca dançou um samba
E arrematou num axé,
Gaúcho na empolgação,
Dançou xote e vaneirão,
Terminou num chamamé.

XII

Aplaudiram os presentes,
O teatro estava lotado
De infantes até idosos,
Torciam pra qualquer lado,
Esperando os três na toca,
Crianças comendo pipoca,
Ouviram o anunciado.

XIII

O governador do Estado,
Na cerimônia presente,
Terminou com uma piada
Seu discurso comovente:
Ele ouvira de um sulista,
Que paulista é especialista:
"Alisa um pau bem contente."


XIV

A platéia delirou-se,
Entretanto o locutor,
Com a sua voz pomposa
Estrondou naquele ardor:
- Eu anuncio o desfecho,
Com chave douro eu fecho
Este festival de humor.

XV

Convoco aqui os finalistas,
Os preguiçosos, de fato,
Que já ganharam concursos
Até entre cão e gato,
Platéia é quem vai julgar
E também vai premiar
Quem é preguiçoso nato.

XVI

Chegou o auge do concurso
Vamos conhecer agora
O homem mais preguiçoso
Deste mundo de outrora,
Que aqui se apresente
Preguiçoso tão somente
E que diga aonde mora.

XVII

O locutor continuou
Com voz forte bem erguida:
- Chamo o mineiro e o carioca
E o gaúcho em seguida,
Os finalistas são três,
Apresento-os a vocês,
Cada qual conte sua vida.

XVIII

Filho de Minas Gerais
Mineiro pôs-se a dizer:
“Ceis nem vai acreditar
Acho que inté querão ver,
Uai! Num sei o que acuntece
Eu tenho mais num carece
Preguiça inté de comer".

XIX

O carioca foi dizendo:
- Nem sei como aqui venho,
Na verdade fui trazido
Por um amigo de empenho,
Todo mundo até vai rir,
Eu não deito pra dormir,
Tanta preguiça que tenho.

XX

O gaúcho apresentou-se:
Vou falar para você,
Embora o costume é tu
Lá no sul como se vê;
Mas eis que barbaridade!
Eu tenho é na verdade
Preguiça em catacrar, Tchê!


BENEDITO GENEROSO DA COSTA
benegcostq@yahoo.com.br
DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS



















Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 101Exibido 1201 vezesFale com o autor