Usina de Letras
Usina de Letras
27 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62475 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10470)
Erótico (13578)
Frases (50863)
Humor (20083)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140908)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6250)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cordel-->CONFERÊNCIA DE COPENHAGUE -- 11/12/2009 - 20:27 (HENRIQUE CESAR PINHEIRO) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Países do mundo fazem
Em Copenhague reunião.
Para se tratar do clima
Só há uma solução:
Que todos esses países
Diminuam população.

Esquecer religião
Controlar a natalidade
Pois é o único jeito
De evitar a fatalidade,
Da Terra se aquecer mais
E acabar a humanidade.

E toda essa insanidade
De crescimento econômico
Transforma nosso planeta
Num artefato atômico
E o nosso fim em breve
Será muito tragicômico.

Se governantes sodômicos
Não deixarem ambições.
Das tragédias naturais
Não tirarem boas lições
O futuro dessa Terra
Será só de privações.

E se as instituições
Em uma briga incessante
Buscando novos mercados
E pela moeda sonante
Só deixarão pro futuro
Um sofrimento gritante.

Quem viver será um arfante
Com a poluição do ar.
Água também não haverá
E só sujeira no mar.
Muito tarde não teremos
Com que nos remediar.

Pois, devemos pressionar
Lula, Sarkozy, Obama,
Para imediatamente
Mudarem o panorama
Pois uma atitude dessas
Há muito a Terra reclama.

Acender logo essa chama
Nossa única esperança.
Que nossas autoridades
Não façam outra lambança.
E responsabilidade
Tenham nossas lideranças.

Deve pesar na balança
Pra se tomar decisões
O futuro do planeta
De todas populações
Da flora, também da fauna
De pequenos camarões,

Onças, búfalos, leões,
Homens, plantas, girafas.
Acabar com as chaminés
Os plásticos, as garrafas,
Com a pesca predatória
Bem como com suas tarrafas.

Muitos já não tem adiafa
E nasce gente na Terra
Como em uma ratoeira.
Aqui vivemos em guerra
Por religião e petróleo
E de fome já se berra.

Porém se isso não se encerra,
Não contiver crescimento,
Comeremos uns aos outros.
Breve chegará o momento
Quero ver se padre, papa
Aplacam nosso sofrimento.

Não passa de um jumento
Defender natalidade.
Se a nossa vida aqui
Não tem qualquer qualidade;
Se aumenta população
Aumenta a mortalidade,

É a pura realidade.
É melhor nunca nascer
Do que se ver o povo
De fome estar a morrer
Pois quem ao mundo não vier
Não o veremos sofrer,

Num horrível padecer.
Pois sem água, sem comida,
Este será nosso fim,
Em uma triste partida
De sofrimento, de guerras,
E com morte parricida.

Pois onde falta comida
Viramos irracionais.
Assim todo ser humano
Como todos animais
Para matar a sua fome
De tudo será capaz.

Não viveremos em paz.
Com tanta gente no mundo,
Buscando alimentação,
Ou agindo no submundo
Sempre em busca de ganho
Pois o que importa são fundos.

Pensemos por um segundo:
Pra se salvar o planeta
Controlem os nascimentos
Também bebês de proveta.
Não tomam tal decisão
Porque são uns picaretas.


HENRIQUE CÉSAR PINHEIRO
FORTALEZA, DEZEMBRO/2009

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 197Exibido 473 vezesFale com o autor