Usina de Letras
Usina de Letras
26 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62475 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10470)
Erótico (13578)
Frases (50861)
Humor (20083)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140904)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6250)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cordel-->COMO O CU CHEGOU À CHEFIA DO CORPO HUMANO -- 27/12/2009 - 18:25 (HENRIQUE CESAR PINHEIRO) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Quando o homem veio ao mundo
Houve grande reunião
E entre os órgãos do corpo
Já teve uma confusão
Pois todos eles queriam
Do corpo se o chefão.

O cérebro muito importante
Deu logo seu ultimato.
Pelas as minhas funções
Este meu desiderato
Melhor desempenharei
Pois sou muito mais sensato.

Também devido ao fato
Das responsabilidades,
Desempenhadas por mim,
Ser de alta capacidade.
Pra tomarem decisões
Falta-lhes mais qualidade.

Mas que grande insanidade!
Já foi dizendo o coração.
Aqui quem manda sou eu.
Pois a minha pulsação
É quem irriga de sangue
Dos pés a palma da mão.

O sangue dá combustão
Para o corpo funcionar.
Portanto, se não for chefe
Deixarei de trabalhar
E quero ver com o corpo
Vai poder se alimentar.

Se isso aqui continuar
Lá atrás falou um rim.
Se nós dois não formos chefes
Tudo vai ficar bem ruim
Ora, se nós somos dois
Vamos fazer um motim,

Breve será nosso fim
Pois sem o metabolismo,
Para segregar a uréia,
Para fora do organismo
E tirar a creatinina
Qual será o mecanismo?

Mas com muito diabolismo
Falou também um pulmão
Se nós não formos os chefes
Não há mais respiração
E pela falta de ar
Vocês todos morrerão,

E uma morte feia terão,
Fiquem todos avisados:
Se a chefia não nos for dada,
Morrem todos sufocados,
Buscando ar nos pulmões
Com olhos esbugalhados.

Mas lá do fundo sentado
Foi também falando o cu:
Aqui quem manda sou eu.
E acabou-se o vuvu.
Os presentes espantados
Já foram gritando:tu?

Formou-se aquele sururu.
E passaram a botar;
Tanto apelido no cu,
Que ficou só a escutar,
Quieto, e em nenhum momento,
Fez menção de revidar.

Passaram a lhe chamar:
Bufante, quincas, anel,
Fedorento, ás de copas,
Fiofó, boga, carretel,
Rosca, rosquite, rendondo,
Até roscofe e borel.

Depois desse escarcéu,
O cu logo entrou de greve.
Efeitos não demoraram.
Foram sentidos em breve.
Veio uma dor de barrica,
Uma dorzinha bem leve

Prevenir sempre se deve.
A barriga ficou inchada.
Que deu uma falta de ar
A boca ficou ressecada
Os rins não mais funcionavam
Coração em disparada,

Com a pressão muito alterada.
Gases sufocando o peito
Cérebro não trabalhava
Não dava ordens direito.
Desesperados gritaram:
Deem a chefia pro sujeito.

E foi assim desse jeito
Que o cu passou a ser chefe
E logo ganhou a parada
Usando apenas o blefe
Na luta pelo poder
Não deu nem mesmo tabefe.

HENRIQUE CÉSAR PINHEIRO
FORTALEZA, DEZEMBRO/2009.

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 197Exibido 706 vezesFale com o autor