Usina de Letras
Usina de Letras
35 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62475 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10470)
Erótico (13578)
Frases (50863)
Humor (20083)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140908)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6250)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cordel-->MENTIRAS MAIS CONTADAS -- 15/12/2010 - 16:57 (HENRIQUE CESAR PINHEIRO) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Mundo vive da mentira.
De maneira escandalosa
Tem umas bem boladas
De forma até engenhosa
Mas todas são pra enganar
Gente besta e caridosa.

Neste cordel vou mostrar
As mentiras mais contadas.
Algumas bem conhecidas
Mas pega gente abestada.
Procure se prevenir
Pra não cair na chamada.

Advogados sempre dizem
Será rápido o processo,
Que haverá pleno êxito
E também grande sucesso.
Portanto tome cuidado
Na vida há retrocesso.

O vendedor ambulante
Promete, em caso de defeito,
Sempre a troca do produto.
De um modo bem suspeito,
Diz anfitrião à visita,
Mas como bastante jeito,

Já vai? É cedo ainda.
Já o aniversariante:
Presente? Não precisava!
O que é mais importante
É somente sua presença,
Atraente e bem radiante.

E todo bêbado sabe
O que diz perfeitamente.
Não existe bêbado pobre.
Todos são inteligentes.
Quando estão de ressaca:
Não bebe mais aguardente.

O casal sem filhos fala:
Adoramos suas crianças,
Venham-nos visitar sempre.
Corretor cheio de esperança
Logo teremos água,
Luz e telefone, afiança.

O delegado promete
Sempre tomar providências.
Mas tudo fica na mesma
Pois é somente aparência.
Não vai doer diz o dentista
Pra não haver desistência.

Não quero mais saber de homem
Diz mulher desiludida.
Amanhã pago sem falta,
A promissora vencida.
Fala sempre o devedor.
A menina, já comida,

Diz pra enganar o pai:
Dormi na casa da amiga.
As onze estou em casa
Do filho é a cantiga.
Temos as menores taxas
Diz banqueiro duma figa.

Era um grande sujeito
Do morto diz o inimigo.
Vamos trabalhar bem forte
De jogador papo antigo.
Isso foi homem que me deu
Para fugir do castigo

Do ladrão é a cantiga.
A fábrica dá garantia
Fala sempre o muambeiro.
Antes mecânico dizia:
É só o carburador.
Injeção ainda não havia.

HENRIQUE CÉSAR PINHEIRO
FORTALEZA, DEZEMBRO/2010
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 197Exibido 702 vezesFale com o autor